sábado, 21 de março de 2020

Conexões Eurasiáticas Império Mongol China Temujin Gingis Khan Tamerlão



IMPÉRIO MONGOL:

(Temujin) Gengis Khan torna-se líder dos Mongóis no ano de 1206. Pela primeira vez, uma família (dinastia inaugurada por Gengis Khan) unira toda a Eurasia, da China até o Mar Negro.

RELEVÂNCIA DO IMPÉRIO MONGOL:

-criaram conexões seguras ao longo da Eurasia, das quais se aproveitaram caravanas de comerciantes, missionários, etc. O ir e vir pela Eurasia tinha se tornado seguro.
-transmitiram, adaptaram e transformaram tecnologias.

AS ROTAS NA EURASIA:

Roma criou seu império mediterrâneo em quatro séculos. Gengis Khan e aqueles que lhe sucederam criaram um império muito maior na Eurasia num período de sete décadas.

CHOQUE ENTRE POVOS NÔMADES E SEDENTÁRIOS:

Povos nômades costumavam invadir e saquear comunidades sedentárias.
Os romanos também tinham problemas com os bárbaros, como exemplo Átila, o líder dos nômades Hunos, em meados do século V d.C..
Nômades não tinham cidades. Armavam e desarmavam acampamentos em busca das melhores pastagens para seus rebanhos. E de vez em quanto saqueavam, pilhavam uma tribo rival ou alguma comunidade sedentária. A tribo nômade Xiongnu davam muita dor de cabeça a China (civilização sedentária) da dinastia HAN.
Os povos nômades levavam vantagem quando se batiam contra civilizações sedentárias. Esses povos nômades (turcos, mongóis, etc) surgiram numa vasta área formada por tundra, estepes e florestas, englobando, ao norte, da Finlândia à Sibéria, descendo para o sul, onde hoje é a China.

VIDA NAS ESTEPES. MOBILIDADE ORGANIZADA:

Havia um deslocamento de forma organizada, de uma área para outra, em busca de pastagens para os rebanhos. Levantar acampamentos, montar acampamentos. Áreas eram exploradas em busca de pastagens de boa qualidade, que podiam alimentar seus animais, dos quais os Mongóis tiravam praticamente tudo do que precisavam: alimento, roupas, abrigo, transporte e bens comercializáveis. Vários animais eram explorados: cavalos, ovelhas, vacas, cabras e até camelos. Se houvesse uma emergência, um mongol poderia até beber o sangue de seus animais.O pastoreio fornecia os itens básicos para a sobrevivência desses grupos nômades. Produtos como grãos, metais, chá, tecidos finos eram encontrados nas zonas fronteiriças da Eurasia. E algumas tecnologias nascidas entre os povos sedentários foram adquiridas pelos povos nômades, como a fundição de metal.

INTERAÇÃO PACÍFICA/COMERCIAL ENTRE OS POVOS NÔMADES E OS POVOS SEDENTÁRIOS:

Na Eurásia, os povos nômades e sedentários interagiam entre si por meio de comércio, casamentos, diplomacia, além das já citadas guerras e pilhagens. Não havia novidade nisso.

UNIDADE BÁSICA DE SOBREVIVÊNCIA NO INÓSPITO MUNDO DAS ESTEPES:

Era a família.
Para sobreviver necessitavam de seus animais e da ligação com outras pessoas que pudessem subsistir num determinado espaço. Com o passar do tempo, famílias com boas conexões podiam formar uma Tribo. Em teoria, os componentes de uma Tribo tinham origem num único ancestral, mas na prática havia ali agregados de todos os tipos. Juramentos de lealdade/amizade (irmandade jurada) eram comuns nas estepes. E por meio deles alguém poderia ser aceito numa tribo. Esses juramentos permitiram a construção de alianças que foram além do parentesco sanguíneo. Havia juramentos de lealdade/amizade entre duas pessoas somente, que se tornavam irmãos sem serem parentes. Mas esses juramentos podiam abranger algo maior, como no caso de Tribos inteiras que aceitassem se sujeitar a uma outra Tribo, por acharem conveniente, ou por terem sido derrotados numa batalha. Essa união entre tribos poderia redundar na criação de Confederações Multitribais de grande alcance e poder.

EM BUSCA DE UM LÍDER, DE UM KHAN:

O Termo Khan significa Governante Supremo. Povos turcos no interior da Eurásia usavam Khagan.
Quem seria aceito para comandar uma poderosa Confederação Multi-Tribal, capaz de empreender campanhas contra poderes estrangeiros, obtendo assim pilhagens para satisfazer todos os seus componentes? O líder era escolhido sendo analisados os seguintes critérios:
-linhagem
-habilidades de guerra
Quando o líder morria, o círculo de contendores incluía seus filhos e irmãos que precisavam lutar e negociar (tanistry). O sistema dava azo ao fraticidio mas também poderia dar espaço para que o membro da família mais apto (melhor guerreiro, melhor negociador) assumisse o poder. Alguém para se tornar líder então precisava:
-pertencer à família do grande chefe falecido
-vencer a disputa dentro da família
-ser confirmado como líder numa assembleia tribal (Kurultai), na qual votariam líderes de outras tribos.

RELIGIÃO. SEM RELIGIÃO INSTITUCIONALIZADA. MONGÓIS NÃO TINHAM PAPAS, PATRIARCAS.

O reinado do Khan era um mandato de Tengri, o Deus chefe dos céus e dos nômades que viviam sob ele. Tengri era a divindade superior. Os pontos mais elevados eram sagrados por estarem perto do paraíso. O mundo estava repleto de espíritos humanos e os xamãs tinham poderes para contactá-los.
Os líderes das estepes não estavam manietados pela existência de uma Igreja institucionalizada, como acontecia na zona do Mediterrâneo.

CHINA;

A China sempre foi alvo de invasões de tribos nômades da estepes. Os canatos Turcomanos controlavam a rota da seda (séculos VI a VIII). Com a sua desintegração no século VIII, grupos turcos migraram para o oeste em direção à Constantinopla.No lugar dos Turcomanos entraram os Uigures para ajudar os chineses em troca de seda. Durante a dinastia Song (século X), a China se expandiu. Diversificou suas rotas comerciais, usando seus portos para exportar para o sudeste asiático. Mas o comércio transcontinental continuou sendo usado, agora sob a proteção de um povo oriundo da Manchúria, os Kitanos. Os Kitanos protegiam a rota da seda, daí o porquê dos ocidentais os confundirem com os chineses, chamando estes de Cathay.
Outro poder localizado no norte da China era representado pelos Jurched (jurchens), que viviam na Manchúria. Da Manchúria também vieram os mongóis, que depois marcharam para o Oeste, para a atual Mongólia.

ORDOS:

Os Kitanos adicionaram ao dicionário eurasiático a palavra Ordos, que era uma espécie de acampamento móvel do Soberano.

MODO DE GUERREAR DOS MONGÓIS:

Os mongóis copiaram o modo de guerrear dos Kitanos e dos Jurchens. A unidade mínima de combate era composta por 10 homens. As maiores respeitavam a ordem decimal: 100, 1000, etc. Membros de tribos diferentes compunham as unidades e cada soldado era responsável por todos os soldados de seu grupo.

"A vida nômade permitia que toda a sociedade fosse mobilizada para a guerra. As mulheres seguiam as campanhas carregando suprimentos, e às vezes lutando ao lado dos homens. Voltar para a casa não era um objetivo - a motivação para a guerra eram os saques, as pilhagens e as partilhas, para então seguir em frente e conseguir mais"
(página 138)

Quando Gengis Khan morreu, seu exército contava com 130 mil homens, entre 1/3 e 1/4 do exército romano em seu auge. Mas Gengis Khan controlava a metade dos cavalos que existiam na época.

CONSTRUÇÃO IMPERIAL AO ESTILO MONGOL:

1167: Nasce Temujin, que viria se tornar Gengis Khan. Seu pai era um "anda", isto é, um irmão jurado de Togrul, líder da poderosa Confederação Tribal Keirat. Após a morte de seu pai, Temujin se viu abandonado pelo clã de seu pai, tendo ao seu lado sua mãe e seus irmãos.
1️⃣Temujin, com a ajuda de seu irmão mais novo, assassinou o irmão de ambos.
2️⃣Temujin foi capturado e feito escravo por um clã rival
3️⃣Temujin conseguiu fugir do cativeiro, casou-se com Borte e buscou ajuda com o "anda" de seu pai, o poderoso Togrul

Togrul era líder dos Keirat, que falavam turco e que tinham budistas e cristãos entre seus seguidores. Prestando serviço a Togrul, Temujin reuniu em torno de si seguidores fiéis. Temujin também era acompanhado por Jamuka, que era seu irmão jurado (anda) e que também tinha o seu séquito.

TEMUJIN VERSUS JAMUKA:

Jamuka (Jamuqa) e Temujin acabaram se tornando chefes rivais na estepe. Os antigos irmãos jurados agora eram inimigos. Nessa disputa quem levou a melhor foi Temujin. 

TEMUJIN TORNA-SE GENGIS KHAN:

Em 1206, num Kurultai, Temujin torna-se Gengis Khan. Gengis (Genghis) eram os espíritos que mandavam na terra. Gengis Khan era o Senhor do Mundo.
Gengis Khan cultivava o poder em torno de si por meio de irmandade por juramento (anda), casamento exógamo, serviço e recompensa, obrigação de vingança. 

OBRIGAÇÃO DE VINGANÇA:

Era um dos tipos da Política das Estepes usada por Gengis Khan na condução de seu Império. Para explicar, daremos um caso concreto: a mãe de Temujin foi sequestrada pelo seu próprio pai. ela estava prometida para um membro da tribo Merkid. Mas aquele que viria ser o pai de Temujin sequestrou a noiva, que por sua vez viria se tornar a mãe de Temujin. Anos depois, a tribo Merkid se vingou de Temujin, sequestrando a sua noiva, Borte. Não importava quanto tempo passasse, não importava que Temujin pagava pelos pecados de seu pai, o que importava era se vingar.

LEALDADE PESSOAL EM DETRIMENTO DOS LAÇOS DE SANGUE:

Gengis Khan nunca esqueceu quando foi abandonado pelo seu Clã, quando da morte de seu pai. Por esse motivo, ele não acreditava em laços de sangue, de forma que revolveu se deixar cercar por pessoas que comprovassem sua lealdade a ele. Quem era leal e fazia o serviço para o qual fora designado recebia a sua recompensa. Gengis gostava de dizer que comia a mesma comida, vestia as mesmas roupas que os criadores de cavalos. Gengis tratava seus guerreiros como se fossem seus irmãos.

AS CONQUISTAS, AS PILHAGENS NÃO PODIAM PARAR:

A lealdade pessoal não vinha de graça. O que mantinha o séquito de um líder reunido em torno dele era a distribuição de pilhagens obtidas por meio de guerras. Se um líder não obtivesse essas pilhagens/recompensas, ele seria abandonado. 

MAIOR TROFÉU PARA SER PILHADO: A CHINA:

A China, com as suas riquezas, era um objetivo óbvio para Gengis Khan. Havia muita coisa a ser pilhada na China: seda, grãos, ouro, algodão, cetim, etc. A China daquela época era governada por duas dinastias: uma no norte, os Jin. Outra no sul, os Song (século XIII). Mas antes de ir saquear a China, Gengis Khan olhou para as regiões pelas quais passava a Rota da Seda. Havia áreas problemáticas no entorno de Gengis Khan (tribos na Sibéria, turcos, império tangut). 
Com os problemas resolvidos, Gengis Khan partiu para a o norte da China, onde governava a Dinastia Jin. A capital Zhongdu foi conquistada em 1215. Os saques foram valiosos e Gengis Khan ainda casou-se com uma esposa da dinastia Jin.

PRÓXIMO ALVO: REGIÃO DA CORÁSMIA:

Região que abrange a margem oriental do Mar Cáspio, atual Usbequistão, Bukhara, Mar de Aral, margem do rio Volga (cidade de Sarai) até o Indo. Gengis Khan,  inicialmente, queria cooperar com o Xá da Corásmia na defesa da Rota da Seda. pois para ele da defesa da prosperidade dos comerciantes dependia o futuro do mundo. Mas o Xá fez pouco caso e não deu importância à Gengis Khan. 
Gengis Khan reagiu a essa afronta atacando a Corásmia, até chegar ao Indo (Paquistão) - 1221.

MORTE DE GENGIS KHAN:

Gengis Khan morre em 1227.

PAX MONGÓLICA:

A Pax Mongólica pode ser vista no final do século XIII, época de florescimento comercial na Eurasia.
Gengis Khan escolheu seu filho Ogodei para sucedê-lo, e assim foi feito, com a confirmação de Ogodei como Khan em 1229. 
O resto da família de Gengis Khan recebeu territórios (ulus) para governar.
Pela tradição eurasiática, o filho primogênito herdava pastagens mais afastadas daquelas pertencentes a seu pai. Na época de Gengis, pastagens mais distantes era aquelas localizadas a oeste por onde cavalgaram os cavalos mongóis. Essas terras ficariam para o seu filho primogênito Jochi. Jochi morreu e em seu lugar assumiu seu filho, Batu. A Ulus de Batu ficava a oeste do Rio Volga.

MAIS CONQUISTAS MONGÓIS:

1️⃣1234: Conquista definitiva do norte da China
2️⃣1250: Parte do Tibete anexada
3️⃣1279: Kublai Khan, neto de Gengis Khan, conquista a parte sul da China (dinastia Song), fundando a Dinastia Yuan
4️⃣1236: Batu, neto de Gengis Khan, conduz seu exército para além dos Urais. Batu foi além, alcançando Polônia, Ucrânia e Hungria, Dalmácia (Mar Adriático). Deteve-se às portas da Áustria, quando foi obrigado a voltar à Mongólia após receber a notícia da morte do Khan Ogodei.
5️⃣Por fim, Batu se estabelece e cria a Horda Dourada (Quipchaco) nas estepes que englobavam o Rio  Volga, a sua capital em Sarai, Moscou, Kiev, etc.
6️⃣Hulegu, irmão de Mongke, o novo Khan, avança para o Sudoeste e conquista Bagdá. Hulegu estabeleceu a dinastia Il-Khans (atuais Irã e Iraque).

A MANEIRA MONGOL DE CONQUISTAR E GOVERNAR:

1º Fase: Conquista/Saque
2º Fase: Reconstrução/Administrar o que foi conquistado, fazendo uso de intermediários locais

"O Império Mongol foi criado no lombo de um cavalo, mas não pode ser governado do lombo de um cavalo" (Frase atribuída ao Khan Ogodei)
(páginas 147/148)

Os mongóis se adaptavam às circunstâncias e podiam até aderir ao repertório de poder eurasiático. Na China mesmo Kublai Khan tornou-se Imperador da Dinastia Yuan (origem do cosmos), para desviar a atenção do fato dos mongóis não serem originários de nenhuma região chinesa.
No que dizia respeito à Religião, os Mongóis eram tolerantes. Essa tolerância vinha das condições encontradas pelos Mongóis durante a sua expansão pela Eurásia. 
-era necessário fazer alianças por meio de casamentos. exemplo: Tolui, o filho mais jovem de Gengis, casou-se com uma mulher cristã
-grande variedade de religiões encontradas
-a existência de conselheiros espirituais - xamãs
Com o tempo, chefes mongóis se converteram para diferentes religiões. O Il-Khan do Ilkhanato (Iraque/Irã) teve várias religiões: budista,, islã, cristianismo). Kublai Khan se tornou budista. 

ROTA DA SEDA:

1️⃣Comércio
2️⃣Envio de Mensagens
3️⃣Passagem de Diplomatas
4️⃣Estações construídas a cada 50, 40km. Serviam para a troca de cavalos de mensageiros, taxação de mercadorias. Para frequentar essa rota, era necessário usar uma espécie de passaporte, o paizi.

O sistema mongol ligava o Oceano Pacífico ao Mar Báltico e ao Mar Mediterrâneo, possibilitando o tráfego de ideias, técnicas e pestes (peste bubônica).

CIDADES ITALIANAS SE BENEFICIARAM DA PAX MONGÓLICA:

Veneza e Gênova se beneficiaram da rede comercial e da pax mongólica criadas pelos mongóis. A partir de portos no Mar Negro, o comércio chegava ao Mar Mediterrâneo (séculos XIII e XIV).

COLAPSO E RECUPERAÇÃO:

O Império Mongol sob uma dinastia teve vida curta (a vida de Gengis Khan), mas ajudou no intercâmbio de tecnologias que deram novas formas às estruturas política, cultural e econômica em vários lugares. A sua decadência se deu pela mesma razão que, lá atrás, a fez expandir por quase toda a Eurásia. A necessidade de expansão, de conquista para obter pilhagens para distribuí-las entre seus súditos, levou ao fim do poder mongol. A sua divisão em Canatos (Il-Khan), terras de Chagatai, Horda Dourada e o Ilkhanato, ou ainda a Dinastia Yuan na China,  acelerou a queda. Os Canatos brigavam entre si. Os mongóis agora eram desunidos. 

PRIMEIRO CANATO A MORRER: IL-KHAN:

Durou de 1256 a 1335. Seu último líder morreu sem descendentes e na luta pelo poder que se seguiu à sua morte, nenhum contendor conseguiu se impor de forma a trazer para si todo o poder do Canato, que acabou se esfarelando, se desmantelando em vários fragmentos de poder.
Os Yuan duraram até 1365. Eles tinham unificado o sul, o centro e o norte da China. No fim, porém, um chinês da Corte traiu a dinastia e estabeleceu a sua própria dinastia, a Ming, expulsando os mongóis de Pequim.
A Horda Dourada passou a se fragmentar a partir de 1438. Os fragmentos de poder eram Canatos menores ao longo do Rio Volga e ao norte do Mar Negro. Esses pequenos Canatos acabariam por ser engolidos por impérios emergentes, como por exemplo, a Rússia.
As terras de Chagatai na Ásia Central (Usbequistão, etc) foram divididas em 2 partes:
-Transoxiniana
-Mogulistão
Na sequência desses acontecimentos, o poder se fragmentou mais ainda. 

A IMPORTÂNCIA DOS MONGÓIS:

▶fizeram da Eurásia um local seguro para o comércio de ideias, mercadorias, tecnologias. forneceram estabilidade à região
▶herdeiros das práticas mongóis criaram os impérios Russo, Chinês e Otomano
▶respeito à religião local. tolerância religiosa
▶uso de administradores locais para os governos


TAMERLÃO:

O enfraquecimento do Império Mongol deu ensejo ao aparecimento de outro conquistador, que se dizia de linhagem mongol. Estamos falando de Tamerlão - Final do Século XIV. Tamerlão era muçulmano de berço e mongol de origem. Falante de turco, conquistou boa parte da Eurásia, ainda que por um curto período de tempo. A capital de Tamerlão ficava em Samarcanda, atual Usbequistão.
Tamerlão ainda conquistaria territórios nos atuais Irã e Afeganistão; conquistaria ainda territórios no Cáucaso, na Horda Dourada e no norte da Índia. Em 1380, Tamerlão já tinha conquistado a Ulus de Chagatai. Tamerlão ainda capturaria Bagdá em 1393. Tamerlão ainda derrotaria os otomanos na Anatólia. Deli, na Índia, cairia em 1398. Sarai, na Horda Dourada, foi saqueada em 1396.

1405: MORRE TAMERLÃO:

Um dos descendentes de Tamerlão fundaria um Império com práticas mongóis na Índia, em 1525 - sob Babur, que duraria 250 anos.
Após a morte de Tamerlão, seu império desmoronou. Seu estilo pessoal de governar consistia em misturar integrantes de tribos diversas. Dividir para governar. Um líder tribal era transferido para longe de seu território para comandar uma tropa integradas por membros de tribos diversas. A ideia era padronizar, desenraizar esses elementos, separando-os de seu passado, de forma que eles, agora, fossem fiéis apenas a Tamerlão.
Sem Tamerlão para manter isso, o sistema desmoronou. O que prevaleceu foram as políticas locais de alianças instáveis. 

ANOTAÇÕES EXTRAÍDAS DA LEITURA DO LIVRO "IMPÉRIOS, UMA NOVA VISÃO DA HISTÓRIA UNIVERSAL", DE JANE BURBANK E FREDERICK COOPER, EDITORA CRÍTICA, PÁGINAS 131/158

Nenhum comentário: