segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Não Chore Agora Você é Minha Esposa Rapto de Esposas Quirguistão



UM HOMEM ABORDA UMA MULHER E LHE DIZ:

Em algum lugar do Quirguistão, uma ex-república soviética, localizada na Ásia Central, um homem aborda uma mulher, com a qual nunca teve nenhum relacionamento, e lhe diz: 

"Não chore, agora você é minha esposa"

São com essas palavras que geralmente começa o sequestro de uma mulher no Quirguistão. 

Feito o sequestro, o sequestrador e provável futuro marido da sequestrada a leva para um local previamente acertado. Ali, geralmente a família de ambos, do sequestrador e da sequestrada, estão esperando por eles. 

Quando a mulher sequestrada chega ao local uma cerimônia é realizada, consistente na colocação de um xale branco em sua cabeça. Se a sequestrada aceitar o xale branco, é o sinal de que ele anuiu ao casamento.

Em alguns casos, o sequestro é tão bem planejado que o sequestrador e a sequestrada são recebidos com uma festa, na qual, por vezes, a própria família da mulher sequestrada se faz presente, anuindo a tudo. 

AGARRE E CORRA:

No Quirguistão o sequestro de esposas é chamado de Ala Kuchuu, que significa "Agarre e Corra". 

Agarre a mulher que lhe interessa para ser sua esposa e corra com ela.

"As pessoas acham que esse costume (sequestro de esposas) é mencionado no Manas (poema épico quirguiz), um mal-entendido que se espalhou porque quase ninguém leu o poema de cabo a rabo. O Ala Kuchuu nem é mencionado no Manas. No passado, as mulheres eram raptadas durante a guerra, ou quando os dois noivos queriam fugir dos pais que se opunham ao casamento, ou quando o noivo não queria pagar o kalym, o dote nupcial." (página 346)

No Quirguistão, 1/3 dos casamentos são originados por meio desses sequestros. 

"Anteriormente, os sequestradores podiam ser multados em cerca de 100 mil somes, algo em torno de 1.300 dólares, e arriscavam pegar 3 anos de reclusão. A pena era mais severa para que roubava uma ovelha." (página 346)

A punição passou a ser de 7 anos de prisão incondicional, mas o risco de algum sequestrador de noivas ser punido é mínimo. Um em cada 1500 homens é condenado pelo sequestro de uma mulher para se casar com ela. 

POR QUE UMA MULHER ACEITA SE CASAR COM O SEU SEQUESTRADOR?

Geralmente, uma mulher sequestrada aceita se casar com o seu sequestrador por pressão da própria família. 

"As mulheres mais velhas fazem pressão psicológica: << Nós também fomos raptadas, choramos mas tivemos filhos e esquecemos de tudo. Olhe para nós agora. Temos filhos e moramos numa bela casa>>"(página 347)

Essas mulheres mais velhas são da família do sequestrador e podem ser até da família da sequestrada.

ANOTAÇÕES EXTRAÍDAS DA LEITURA DO LIVRO "SOVIETISTÃO, UMA HISTÓRIA DO CAZAQUISTÃO, DO TADJIQUISTÃO, DO USBEQUISTÃO, DO QUIRGUISTÃO E DO TURCOMENISTÃO", ERICA FATLAND, EDITORA ÂYINÉ

domingo, 5 de setembro de 2021

A desunião da Umma A Comunidade Muçulmana Xiitas Sunitas Abássidas Omíadas


 

ISLÃ:

"Islam" = Islã, o nome da religião.  Ato de Submissão

"Muslim" = Muçulmano = É aquele que se submente à vontade de Deus (Allah)

"Muhammad" (Maomé) = Profeta, legislador, árbitro e líder espiritual e comandante militar. Muhammad foi o mensageiro de Deus, por meio do anjo Gabriel.

Profeta: É o mensageiro de Deus. É o homem ao qual Deus havia falado. Maomé, na visão da religião islâmica, foi o último profeta. Houve outros, como Jesus, Jó, Abraão, Noé, Jonas. 

Alcorão: Registro das mensagens de Deus via anjo Gabriel a Muhammad (Maomé). 

"Umma" = Comunidade Muçulmana.

Califa = Khalifat Rasul Allah = Sucessor do Mensageiro de Deus. 

Caaba: Abraão e seu filho Ismael encontraram a pedra negra e erigiram a Caaba em torno dela.

UMMA:

A Umma é a comunidade muçulmana criada por Muhammad (Maomé), o profeta que viveu no século VII d.C. Por meio de um anjo, o islã foi revelado a Muhammad. 

Sob o lema de que não existe deus algum além de Allah e que Muhammad é o seu mensageiro, o Islã foi criado, reunindo-se em torno dele um grupo de devotos, que formou uma comunidade, a qual foi denominada Umma.

No início, essa comunidade foi coesa. Maomé, na cidade de Meca, no Hijaz, oeste da atual Arábia Saudita, reuniu em torno de si um grupo de seguidores, que vinham de diversas tribos árabes. Maomé e seu grupo sofreram perseguição por parte dos pagãos árabes, que originalmente eram politeístas e tinham na Caaba, um ponto de peregrinação, na qual veneravam seus inúmeros deuses. 

Em 622, o ano inaugural do calendário muçulmano, Maomé e seus seguidores partiram de Meca e foram para a cidade de Medina, localizada no oeste da península arábica. Esse evento passaria para a história com o nome de Hijira (Hijra)

Nos anos que se seguiram, Maomé e o seu islã conquistaram a cidade de Meca e tribos árabes espalhadas pela península arábica. O território dominado pelo Islã abrangia o Hijaz, algumas outras tribos árabes espalhadas pela península arábica. Nessa época, com Maomé no comando da Umma, não havia dissidências. Mas tão logo Maomé morreu, no ano de 632 (século VII), a comunidade muçulmana criada por ele, a Umma, passou a apresentar dissidências. 

O primeiro problema a ser resolvido consistia em achar um substituto para Maomé. A escolha recaiu sobre seu amigo Abu Bakr. Abu Bakr não seria um novo profeta, mas seria um Califa, o sucessor do Profeta. Tão logo assumir a posição de califa, Abu Bakr  precisou agir rapidamente para impedir que a Umma se desintegrasse. De fato, com a morte de Maomé, vários tribos árabes não se viram mais obrigadas a pagar o tributo que viabilizava a existência de uma comunidade muçulmana. Abu Bakr teve que ir à guerra para demovê-las disso. Mas não foi só o medo de uma retaliação que manteve as tribos árabes unidas em torno da Umma. Abu Bakr ofereceu a elas a chance de enriquecimento, por meio de guerras contra os Impérios Sassânida (Pérsia) e Bizantino. Essas guerras resultavam em grandes pilhagens que, depois que 1/5 delas era reservado para a Umma, o restante era distribuído entre os guerreiros das tribos árabes que delas participavam.

Abu Bukr morreu em 634. No lugar dele assumiu Umar (634/644). Após Umar, assumiu o califado um membro do clã Omíada, Uthmann (644/656).

XIITAS VERSUS SUNITAS:

1) ALI, O PRIMEIRO MÁRTIR:

Com a morte de Uthmann, Ali, o primo e genro de Muhammad, assumiu o califado. Ali era filho de Abu Talib, tio e protetor de Muhammad. Ali foi a primeira pessoa que Muhammad conseguiu converter ao islamismo. Muhammad era órfão e foi criado pelo seu tio Abu Talib, que o protegeu dos pagãos de Meca enquanto seu sobrinho defendia o islamismo. Ali casou-se com Fátima, a filha de Muhammad. 

Ali daria início a uma nova divisão na Umma, entre xiitas e sunitas. 

Sunitas basicamente são os muçulmanos que reconhecem como legítimos os califas Abu Bukr, Umar e Uthmann. Também iriam reconhecer como legítimos os califados Omíada e Abássida. 

Os xiitas (O partido de Ali - Shi'at Ali), por sua vez, só reconheciam como um legítimo governante da Umma islâmica a pessoa que fosse descendente de Muhammad (Maomé). E o único descendente de Maomé que havia era Ali, que era seu primo e genro. E havia ainda os filhos de Ali, Hasan e Husayn.

Ali, como dissemos, foi feito califa. Mas seu califado foi tumultuado. Teve que enfrentar a oposição de Aisha, a ex-esposa de Muhammad e de dois aliados deste, naquilo que fico conhecida como a Batalha do Camelo, o primeiro confronto no qual dois exércitos muçulmanos se enfrentaram. Ali saiu vitorioso dessa batalha, mas acabaria enfrentando uma outra rebelião, comandada por Mu'awiya, que era governador da Síria. Em meio à rebelião, Ali acabaria sendo assassinado em 661, daí ter passado para a história como mártir. Mu'awiya então assumiu o califado e, por ser da tribo Omíada, seu período e dos seus sucessores passaria a ser denominado como Califado Omíada, com sua capital na cidade de Damasco.  

2) HUSAYN, O SEGUNDO MÁRTIR:

Os xiitas voltaram à carga com Husayn, o filho de Ali. Em 680, Husayn e seus 72 guerreiros, na cidade de Carbala, atual Iraque, enfrentaram 10 mil soldados do califado Omíada. O resultado foi a morte de Husayn, que passou para a história como o segundo mártir.

Husayn e Ali passariam para a história como os martirizados e seus partidários passariam para a história como xiitas, o Partido de Ali, contrapondo-se aos sunitas.

ABÁSSIDAS VERSUS OMÍADAS:

O califado Omíada levaria o islã para a Península Ibérica (atuais Portugal e Espanha) e para além do rio Oxus (Amu Daria), na Ásia Central. Mas esse sucesso não fez com que o califado Omíada fosse aceito por todos os muçulmanos. O califado Omíada acabaria por ser derrubado e, no seu lugar, surgiria o Califado Abássida. 

O líder dos Abássidas era Abbas, que dizia descender de um tio de Maomé. Com os Abássidas, o centro do poder islâmico passou de Damasco para Bagdá, no Iraque. 

Mas nem o califado Abássida conseguiria fazer da Umma um todo coeso. O império islâmico era extenso e os califas abássidas não davam conta de torná-lo uniforme e unido. Governadores nomeados para áreas distantes descolavam-se de Bagdá e criavam eles próprios estados independentes. Um governador nomeado no ano 800 para Túnis, na atual Tunísia, fundou sua própria dinastia, a Aglábida. 

UMMA DESUNIDA:

A Umma, a Comunidade Muçulmana, começou como algo coeso, formado apenas pelas tribos árabes que habitavam a península arábica. Com a expansão do século VII, a Umma passou a conter diversos membros de diversas etnias, culturas, religiões, etc. Foram incluídos na Umma os persas, os turcos, os habitantes da península ibérica, os berberes do norte da África, etc. Essa miríade de povos e a extensão do império islâmico, que abarcava o norte da África, a península ibérica, o oriente médio e a Ásia Central, tornou impossível manter a Umma unida sob um só poder. Enfim, apesar de todos esses povos testemunharem que não há deus algum além de Allah e que Muhammad (Maomé) é o seu mensageiro, eles nunca conseguiram se unir de forma a criar um todo coeso, que buscasse andar numa só direção, sob um só comando. 

E foi sempre assim. Durante a Primeira Guerra Mundial, quando o Império Otomano levantou a bandeira da Guerra Santa contra ingleses e franceses, obteve pouco ou nenhum sucesso. As tribos árabes acabaram se unindo com os cristãos ingleses na luta contra o sultão muçulmano líder do Império Otomano.

E mais recentemente, quando Saddam Hussein apelou para uma guerra santa contra os ocidentais, nos anos de 1991 e 2003, igualmente não obteve êxito, vendo-se sozinho na luta contra americanos, ingleses, etc. Os muçulmanos da Síria, da Arábia, do Egito, da Jordânia não vieram em seu socorro, pelo contrário, alguns desses países forneceram bases militares para os exércitos dos EUA. 

ANOTAÇÕES EXTRAÍDAS DA LEITURA DO LIVRO "UMA HISTÓRIA CONCISA DO ORIENTE MÉDIO", DE ARTHUR GOLDSCHMIDT JR, E IBRAHIM AL-MARASHI, EDITORA VOZES