sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Reinos Desaparecidos Uma História de uma Europa Quase Esquecida Reino da Galícia Lodoméria



REINO DA GALÍCIA E LODOMÉRIA OU KRONLAND

CRIAÇÃO: 1773
EXTINÇÃO: 1918

KRONLAND: Terra da Coroa do Império. O Império era o Habsburgo, que compreendia ainda, dentre outros territórios, a Áustria, a Hungria, a Boêmia. A máxima, a divisa do Império Habsburgo dizia: 

VIRIBUS UNITIS (Força na União).

Composição populacional no século XVIII:

- Poloneses Católicos
- Rutenos Uniatas (falavam a língua ruski - ucraniano antigo)
A Igreja Católica Grega (Uniata) dava-se bem com o sentimento antirrusso dos Habsburgos, mas era mal vista pelos ortodoxos russos. A Igreja Uniata mantinha muito da liturgia bizantina, mas reconhecia a supremacia do Papa de Roma.
- Judeus

GALÍCIA OCIDENTAL: Região da Pequena Polônia. Englobava a parte superior do Vale do Vístula e a cadeia Montanhosa dos Cárpatos. Principal cidade: Cracóvia. Poloneses e judeus viviam lado a lado
.
Rio San serve de linha divisória entre essa duas Galícias. A cidade de Przemysl localiza-se exatamente nessa linha divisória. 
.
GALÍCIA ORIENTAL: Localizava-se além do Rio San. Principal cidade: Lvov (ou Lviv ou Lemberg). Nobres poloneses viviam em grandes propriedades. Os rutenos viviam como camponeses e os Judeus viviam isolados, em Shtelm.

O Reino da Galícia era pobre. Era o "Reino dos Nus e dos Famintos." O Império Habsburgo construiu uma linha férrea entre Viena e Lemberg (Lvov ou Lviv). Saindo de Viena, a capital do Império Habsburgo, o viajante rumava sentido nordeste, passando pela Morávia e pela Silésia Austríaca (Auschwitz), deixando o vale do rio Vístula e rumando para o rio San, atravessando-o e percorrendo a última parte da viagem até chegar a Lemberg.
Esse caminho era conhecido como "meio caminho para a Ásia." Dizia-se sobre quem embarcava nessa viagem: "quem não morrer de tédio, morrerá de fome."

HALICH: 

Cidade localizada ao sul de Lemberg (Lvov/Lviv) - Galícia Oriental. No Século XIII foi governada por Daniel Halitsky. Foi coroado pelo emissário do Papa Inocêncio IV.

Halich, assim como a Ucrânia oriental, passou pelas mãos de muitos senhores:

- no século X, era dominada pelos Rus de Kiev
- século XII, passou para o domínio da Hungria
- século XIII: governada por Daniel Halitsky e depois invadida pelos Mongóis
- século XIV: domínio da Polônia
- século XVIII: passa para o domínio do Império Habsburgo
- 1918: República Popular da Ucrânia Ocidental
- 1919/1939: Domínio da Polônia
- 1945/1991: Domínio da URSS
- 1991 até agora: Ucrânia Independente.

SERVIDÃO:

A Galícia era pobre, notadamente a sua parte oriental. Camponeses viviam na miséria. Em 1846, houve uma revolta. Nobres donos de terras foram chacinados. O fim do regime de servidão chegou em 1848.

Regime da Servidão:

Servo:
- segurança na posse de um lote de terra
- dependência do senhor da terra

Fim da servidão:
Quem era servo e deixou de sê-lo, viu-se independente mas sem a segurança que tinha no passado. Com o fim da servidão, o camponês se viu livre MAS sem ter para onde ir...se ficassem na terra onde tinham trabalhado, cairiam num contrato de arrendamento que os condenariam ao pagamento de uma dívida impagável. 


Fonte:
Anotações extraídas da Leitura do Livro "Reinos Desaparecidos, Uma História de uma Europa quase esquecida, de Norman Davies, Editora 70, página 515/559

sábado, 12 de outubro de 2019

Piratininga João Ramalho Tupinambás Antropofagia A Vida é Combate que os Fracos abate



PIRATININGA:

JOÃO RAMALHO CHEGOU AO BRASIL À BORDO DE UMA CARAVELA. OS ÍNDIOS, AO VÊ-LO CHEGAR SECO À TERRA, VINDO DO MAR, DERAM-LHE O NOME DE PIRATININGA:>> Pirá-Tininga -> Peixe Seco
NO INÍCIO VINHAM AO BRASIL EXILADOS, CRIMINOSOS E AMOTINADOS. O CRIMINOSO TINHA A OPÇÃO DE TROCAR UMA PRISÃO IMUNDA EM PORTUGAL POR UM LUGAR INÓSPITO COMO O BRASIL. NO BRASIL ELE ENCONTRARIA ÍNDIOS BELICOSOS E UMA FLORESTA TROPICAL CERRADA.
JOÃO RAMALHO TEVE UMA SORTE MELHOR. FUGIU OU FOI ABANDONADO POR UM NAVIO NO LITORAL DE SÃO VICENTE (ILHA NO LITORAL DO ATUAL ESTADO DE SÃO PAULO). JOÃO RAMALHO FOI RECEPCIONADO POR UMA TRIBO INDÍGENA DE NOME GAIANAZES, CUJOS MEMBROS ANDAVAM NUS E ERAM POUCO AMISTOSOS. DE ONDE ESTAVA, JOÃO RAMALHO PODIA AVISTAR A SERRA DO MAR, DENOMINADA PELOS INDÍGENAS DE PARANAPIACABA (lugar de onde se vê o mar). TRANSPOSTA A SERRA DO MAR, ENCONTRAVA O PLANALTO QUE SE ESTENDIA PARA O INTERIOR.

JOÃO RAMALHO,TIBIRIÇA E PLANALTO DE PIRATININGA

VENCIDA A SERRA DO MAR, JOÃO RAMALHO SE VÊ NO PLANALTO (QUE SERIA NOMEADO COM SEU NOME INDÍGENA), SENDO LEVADO AO ENCONTRO DO CHEFE INDÍGENA TIBIRIÇA. 
TIBIRIÇA SIGNIFICA "o principal da terra". JOÃO RAMALHO PASSARIA O RESTO DE SUA VIDA NA ALDEIA DO CHEFE TIBIRIÇA, CASARIA E TERIA VÁRIOS FILHOS COM VÁRIAS MULHERES. JOÃO RAMALHO, UM HEREGE IRREMEDIÁVEL, EMULOU O ESTILO DE VIDA DOS INDÍGENAS, O QUE CAUSOU ESPANTO E OJERIZA POR PARTE DOS JESUÍTAS, MAS ELE ERA NECESSÁRIO PARA A ADMINISTRAÇÃO PORTUGUESA.

NOMES INICIAIS DAQUILO QUE VIRIA A SE TORNAR O BRASIL:

PINDORAMA
ILHA DO PARAÍSO
TERRA DE SANTA CRUZ
VERA CRUZ
TERRA DOS PAPAGAIOS

ÍNDIOS ENCONTRADOS PELOS PORTUGUESES:

ERAM ORIGINÁRIOS DE ONDAS MIGRATÓRIAS VIDAS DO ALASCA NO FINAL DO PRIMEIRO MILÊNIO:

TUPINAMBÁS
GUARANIS
TAPUIA

TUPINAMBÁS:
TUPINAMBÁS SIGNIFICA FILHOS DO PAI SUPREMO OU GERAÇÃO DO PROGENITOR). ENCONTRADOS NO SUL DA BACIA AMAZÔNICA E SEUS AFLUENTES DA MARGEM DIREITA, ALÉM DE TODA A COSTA ATLÂNTICA, DO FOZ DO RIO AMAZONAS À CANANEIA (ATUAL REGIÃO SUDESTE). NÃO SABIAM CONTAR, NÃO USAVAM LINGUAGEM ESCRITA. ERAM AGRICULTORES, ESTABELECIDOS EM ALDEIAS DE FORMA SEDENTÁRIA. USAVAM O FOGO, ASSAVAM USANDO UMA ESPÉCIE DE GRELHA, O MOQUÉM. TUPINAMBÁS SÃO UM RAMO DOS TUPIS, QUE TAMBÉM DERAM ORIGEM AOS CAETÉS, AOS POTIGUARES, AOS TIMBIRAS, AOS TUPINIQUINS. 
GUARANI: 
ENCONTRADOS A PARTIR DE CANANEIA, DESCENDO PARA O RIO DA PRATA, PENETRANDO NO INTERIOR, ACOMPANHANDO OS RIOS URUGUAI, PARAGUAI E PARANÁ.
TAPUIAS: 
NA LÍNGUA TUPI, TAPUIA SIGNIFICA ESCRAVA, SERVO.  ERA NÔMADES, VIVENDO DA CAÇA, DA COLETA E DA PESCA. VIVIAM DAQUILO QUE A TERRA FORNECIA, NÃO A CULTIVAVAM. NECESSITAVAM DE UM GRANDE ESPAÇO PARA OBTEREM SEU SUSTENTO POR MEIO DA SIMPLES COLETA. DORMIAM SOB AS ÁRVORES, NÃO VIVIAM EM MALOCAS. ERAM TEMIDOS POR SEREM GRANDES GUERREIROS, TANTO PELOS TUPINAMBÁS QUANTO PELOS PORTUGUESES. TAPUIAS ERAM, DENTRE OUTROS, OS AIMORÉS, OS GOITACAZES, OS CARIRIS.

GUERRAS ENTRE INDÍGENAS:

QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, OS TUPINAMBÁS TINHAM ACABADO DE EXPULSAR OS TUPINIQUINS DA BAÍA DA GUANABARA. TUPINAMBÁS E TUPINIQUINS, AO INVÉS DE FAZER CAUSA COMUM CONTRA OS PORTUGUESES E OS FRANCESES, SEUS VERDADEIROS INIMIGOS, USAVAM ELES COMO ALIADOS EM SUAS GUERRAS. 

"OS ÍNDIOS GUERREAVAM O TEMPO TODO, NÃO APENAS PARA PROTEGER O SEU TERRITÓRIO, MAS COMO UM MODO DE VIDA." (página 41)

A GUERRA AJUDAVA A MANTER O AMBIENTE ECOLOGICAMENTE EQUILIBRADO, ISTO É, EVITAVA A SUPERPOPULAÇÃO. O CONTROLE DA POPULAÇÃO ERA ALCANÇADO POR MEIO DAS GUERRAS.

ANTROPOFAGIA:

SOMENTE A CARNE DE PRISIONEIROS DE GUERRA ERAM CONSUMIDAS EM MEIO A RITUAIS. A PESSOA PRECISAVA MOSTRAR VALOR PARA SER DEVORADA. 

"DEVORANDO OS INIMIGOS VALOROSOS, OS TUPINAMBÁS ACREDITAVAM QUE SE ALIMENTAVAM TAMBÉM DA SUA BRAVURA. PELA MESMA RAZÃO, NÃO COMIAM A CARNE DAQUELES QUE CONSIDERAVAM COVARDES, ASSIM COMO DE BICHOS DE QUE NÃO GOSTAVAM, COMO A PREGUIÇA, POR ACREDITAREM QUE FICARIAM LENTOS EM COMBATE."(página 50)

ELIMINAÇÃO DE CRIANÇAS QUE NASCIAM COM ALGUMA DEFICIÊNCIA FÍSICA:

SE UMA CRIANÇA NASCESSE COM ALGUM PROBLEMA QUE FIZESSE DELA UM FARDO PARA O GRUPO AO QUAL PERTENCIA, ELA SERIA ELIMINADA, MORTA.NA CONCEPÇÃO DOS ÍNDIOS, A VIDA ERA PARA OS FORTES, PARA OS CAPAZES. 

"NÃO CHORES, MEU FILHO, NÃO CHORES QUE A VIDA É LUTA RENHIDA, VIVER É LUTAR; A VIDA É COMBATE QUE OS FRACOS ABATE, QUE OS FORTES, OS BRAVOS, SÓ PODEM EXALTAR." - Canção do Tamoio, Gonçalves Dias. (página 51)


Anotações retiradas da leitura do Livro "A Conquista do Brasil, 1500 - 1600, de Thales Guaracy, Editora Planeta, páginas 29/51


quinta-feira, 8 de agosto de 2019

História da Polônia: Povo Terra Coroa Adam Zamoyski



1) Origens da Polônia:
As origens da Polônia eram um mistério mesmo para seus vizinhos. Tribos eslavas viviam na área que hoje fazem parte da Polônia, da Eslováquia, da República Tcheca e do leste da Alemanha.
Eram povos pacíficos, que praticavam a agricultura (século I d.C.) 
Povos Eslavos:
Norte: Pomeranos. Pomorzanie - Povo do Litoral
Oeste: Lusácios e Slezanos da Silésia
Sul: Vislanie
Gniezno/Grande Polônia/Wielkopolska: Polanos
Os mais numerosos destes povos derivavam seu nome da atividade que exerciam: Povo do Campo:> POLANIE.
No Século VI d.C., os Sármatas, um povo oriundo das estepes do Mar Negro, invadiram o que hoje é a Polônia, constituindo uma nova classe governante sobre os Polanie/Povo do Campo.
2) Dinastia Piast:
Os Polanos eram governados pela Dinastia Piast, fundada em Gniezno (século IX).
Enquanto os Polanos se organizavam sob a Dinastia Piast, os alemães, sob a dinastia de Otão I, expandia-se pela sua fronteira oriental, constituindo pelo caminho Marcas/Bastiões/Províncias. Em seguida, atravessou o rio Elba, avançando para o sul, espantando pequenos grupos de eslavos até ser obstado por um exército, justamente o exército dos Polanos, sob o comando do Príncipe polano Mieszko.
3) Cristianismo na Polônia:
Mieszko não poderia ignorar os benefícios de uma conversão ao Cristianismo. Em 962 Otão fora coroado Imperador pelo Papa.
Em 966, Mieszko e sua corte foram batizados, tornando o Ducado da Polônia parte do mundo cristão. 
4) Expansão da Polônia:
Ao conquistar a Pomerânia, Mieszko entrou em conflito com o Margrave da Marca alemã do norte, que deseja para si a mesma área. No ano de 972, Mieszko derrotou os alemães e avançou para o rio Oder (estuário do Oder no Báltico).
O Margrave da Marca alemã do Norte pediu auxílio ao seu senhor, Otão II, que veio em seu auxílio. Na guerra que se seguiu entre alemães e poloneses, estes venceram, anexando o resto da Pomerânia, só parando o avanço ao se depararem com o avanço da Dinamarca em sentido contrário. No fim, Poloneses e dinamarqueses estabeleceram um acordo de paz.
Nos anos de 989 e 990, os poloneses avançaram para a Silésia e para a Pequena Polônia (Cracóvia). 
5) Boleslau, o Bravo:
Boleslau, o Bravo,  sucedeu Mieszko no trono polonês. Em 999, o Papa elevou o status da Polônia, tornando-a independente da Diocese alemã de Magdeburgo. Enquanto isso, na Alemanha, Otão III era sucedido no trono alemão por Henrique II (ano 1.014). Henrique II não aceitava um Estado Polaco forte na fronteira alemã, de forma que desencadeou uma ofensiva contra os poloneses, contando com a ajuda dos Boêmios pelo sul. Na guerra que se seguiu, Boleslau derrotou Henrique II, que se viu obrigado a ceder a Morávia e o território ao longo do Elba (1018 - Tratado de Bautzen)
6) Mieszko II
Com a morte de Boleslau, o Bravo, subiu ao trono polonês seu filho Mieszko II (1025). Mieszko se deparou com uma Polônia que crescera rapidamente, não dando tempo para se estabelecer uma organização estatal centralizada, de forma que pressões regionalistas se impuseram diante da fraqueza do poder central. Ao morrer, em 1034, Mieszko deixou uma Polônia dividida. 
7) Casimiro I
Casimiro I sucedeu Mieszko no Trono Polonês, mas teve que fugir após a eclosão de uma guerra civil, da qual se aproveitou o rei da Boêmia, Bretislau, que invadiu a Polônia e apoderou-se de Gniezno, pondo em risco a independência polaca. Aqui é preciso explicar que no século XI o conceito de nacionalidade encontrava-se em gestação e as fronteiras eram fluídas, mudando conforme a vitória deste ou daquele senhor de guerra (rei - aquele que dispunha de um exército). Assim, alemães brigavam com alemães, eslavos brigavam com eslavos. Quando os alemães avançaram em direção ao Rio Oder (Brandemburgo), houve uma mistura de alemães com poloneses locais. O mesmo aconteceu em Mecklemburgo, onde a elite eslava local tornou-se a nova aristocracia alemã. Enfim, as distinções étnicas e culturais não eram bem definidas. 
8) Cracóvia, a Nova Capital da Polônia:
Ao reconquistar sua posição na Polônia, Casimiro I fez de Cracóvia a nova capital da Polônia. A Polônia tinha duas regiões: Grande Polônia (Wielkopolska, com seu centro em Gniezno) e a Pequena Polônia (Malopolska com centro em Cracóvia).
9) A Polônia e o Sacro Império Romano
O Sacro Império Romano queria que a Polônia fosse seu estado Vassalo. A Polônia queria ser independente. 
10) A Polônia volta-se para o Leste
A Polônia voltou-se para o Leste. Sua capital não ficava mais em Gniezno. Casimiro I, o soberano Polonês, casou-se com a irmã do Soberano de Kiev. Seu filho, Boleslau II, já tinha intervindo em Kiev por duas vezes em socorro ao seu tio. Cracóvia era o novo centro de poder polonês e ficava mais próximo da região que hoje é a Ucrânia e da Hungria, que se tornava um ator importante na luta do Papa contra o Sacro Império Romano. Polônia, Hungria e Espanha se uniram ao Papado na luta deste contra o Sacro Império Romano.
11) 1079
No ano de 1079 Boleslau II foi alvo de uma rebelião tramada pelos magnatas, senhores regionais poloneses. Boleslau agiu contra os rebeldes e dentre os mortos encontrava-se o Bispo de Cracóvia, Estanislau. O assassinato do Bispo de Cracóvia gerou uma grande indignação naquele mundo cristão europeu, obrigando Boleslau II a abandonar o trono polonês em favor de seu irmão Ladislau Herman. 
12) Tentativa de conciliar a centralização do poder com a sua descentralização
A Polônia foi dividida em Ducados (1138). Cada um deles seria governado por um dos filhos de Ladislau, um soberano polonês falecido em 1138. A Pomerânia virou um Ducado. O filho mais velho de Ladislau exerceria uma espécie de Suserania sobre os demais ducados. Todavia, com o passar do tempo, essa suserania se tornou algo simbólico, nominal, pois cada ducado estabeleceu seu próprio ramo da dinastia Piast. A Polônia era dividida em várias entidades: Grande Polônia (Gniezno); Mazóvia; Pequena Polônia; Cracóvia; Sandomierz; Silésia; Pomerânia.
13) Elementos unificadores da Polônia
Mesmo com a Polônia repartida em ducados, havia elementos que mantinham um sentimento de uniformidade e de união. Um deles era a Dinastia Piast e o outro era a Igreja. A igreja polonesa disseminou cultura, tecnologia e educação.
14) A luta entre os defensores da centralização do poder e os defensores da sua fragmentação não cessava.
Senhores poloneses regionais e cidades maiores sonhavam com a autonomia. Nessa queda de braço, os defensores da fragmentação do poder levaram a melhor. Em 1228, os senhores regionais poloneses conseguiram fazer o Rei Polonês assinar o PRIVILÉGIO DE CIENIA, uma espécie de Magna Carta, assinada alguns anos antes, em 2015, pelo rei Inglês João Sem Terra.
15) Diferença entre Inglaterra, França e Polônia
Barões franceses e ingleses eram Vassalos do Rei francês e do Rei Inglês, respectivamente. Esses barões recebiam o poder do Rei. Já na Polônia, esse sistema feudal francês/inglês nunca foi adotado. O rei Polonês não conseguia impor a sua vontade aos senhores locais. Dessa forma, inexistindo canais de Vassalagem, o rei Polonês não tinha como impor o seu poder. De qualquer forma, a Polônia, mesmo tendo seu poder fragmentando entre vários senhores, ela era independente, não prestando Suserania a um poder Estrangeiro.


(Fonte: Anotações retiradas da Leitura do livro "História da Polônia", de Adam Zamoyski, páginas 15/29)

Propagação das ideias Niall Ferguson Guerra Santa Nacionalismo Árabe



Por que algumas ideias (vírus contagioso) se propagam, tornando-se realidade enquanto que outras não se realizam no mundo? A eficácia de uma ideia dependerá da forma pela qual ela foi comunicada, pela eficiência da rede pela qual ela foi transmitida
PRIMEIRA INICIATIVA - No início do Século XX, durante a Primeira Guerra Mundial, a Alemanha idealizava criar uma Jihad (Guerra Santa) com a ajuda do Império Otomano, para sublevar os súditos muçulmanos dos Impérios Inglês e Francês. Se desse certo, Grã-Bretanha e França teriam que tirar exércitos da Europa para contar sublevações muçulmanas em suas colônias, abrindo assim o caminho para uma vitória alemã na Europa. Para o azar da Alemanha, essa ideia de criar uma Guerra Santa entre os súditos muçulmanos dos Impérios Inglês e Francês não deu certo. Os muçulmanos no norte da África, na Índia, no Egito, no Afeganistão não lutaram contra os ingleses e contra os franceses. 
SEGUNDA INICIATIVA - Uma outra ideia, propagada no mesmo teatro de operações (oriente médio), surtiu efeito. A Grã-Bretanha propagou e estimulou o movimento do NACIONALISMO ÁRABE contra o domínio do Império Otomano. Os mesmos árabes muçulmanos que não compraram a ideia da Guerra Santa estimulada pelos Alemães e pelo Império Otomano, compraram a ideia do Nacionalismo Árabe, a criação de um estado árabe no Oriente Médio, formado pela Península arábica, pela Síria e pelo Iraque. Assim, os árabes se aliaram à Grã-Bretanha na luta contra os alemães e seus aliados otomanos.
TERCEIRA INICIATIVA - Em 1917 a ideia do Marxismo, criada pelos Bolcheviques russos, não ficou apenas na imaginação de seus propagadores. Ela derrubou o Império Czarista, que governava a Rússia há séculos. Derrubou a dinastia Romanov, que governava a Rússia desde o século XVII. Essa propagação do Marxismo bolchevique contou com a ajuda dos alemães, que facilitaram e patrocinaram a ida de Lênin da Suíça para a Rússia. A ajuda alemã não foi de graça. A Alemanha esperava que o líder dos Marxistas bolcheviques, Lênin, sublevasse a Rússia, tirando-a da Guerra. Sem a Rússia na guerra, a Alemanha poderia tirar suas tropas do Leste e enviá-las para o Oeste, para combater os inglese e os franceses. Mas a história foi irônica com a Alemanha, pois o movimento revolucionário que tirou a Rússia da Guerra, se voltou contra ela, Alemanha, sublevando-a internamente, acabando com a união do país em torno do esforço de guerra, derrubando o Kaiser Guilherme II e obrigando a Alemanha a se render aos Ingleses e aos Franceses. O tiro acabou saindo pela culatra. O governo alemão  estimulou uma Revolução na Rússia em 1917 que acabou se voltando contra ele no decorrer do ano de 1918.

(Minhas anotações da leitura do Livro "A Praça e a Torre, de Niall Ferguson)
.
.
.
"PARA ENTENDER POR QUE ESSA PRIMEIRA INICIATIVA FALHOU ENQUANTO A SEGUNDA OBTEVE ÊXITO E A TERCEIRA DEU CERTO PARA ENTÃO SAIR PELA CULATRA, PRECISAMOS ENTENDER QUE AS ESTRUTURAS DE REDE SÃO TÃO IMPORTANTES QUANTO OS VÍRUS NA DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE E EXTENSÃO DO CONTÁGIO." (página 231)
(A Praça e a Torre, redes, hierarquias e a luta pelo poder global, Niall Ferguson, Editora Crítica) 

domingo, 4 de agosto de 2019

Sacro Império Romano Germânico França Religião e a Reforma de Martinho Lutero Protestantes versus Católicos Revolução Inglesa de 1642



1517: Martinho Lutero e suas 95 Teses na Igreja de Wuttenberg:

A Reforma desencadeada por Martinho Lutero tinha duas faces:
a) Revolta Teológica
b) Revolta contra a desordem interna e contra as intrusões externa do Império

A Reforma trazia oportunidades:
a)Para os Senhores, para os Príncipes: Emancipação em relação ao Imperador e aumento do controle sobre seus súditos.
b)Para os Camponeses: Participação no Reich. Emancipação em relação aos seus senhores.

A Religião e as Fronteiras Geográficas:
A Religião podia servir para acentuar ainda mais as fronteiras geográficas entre países, mas igualmente, em alguns casos, não as transcendia. Exemplo: o ódio francês à Casa Habsburgo era tão grande que os franceses católicos apoiavam os Otomanos muçulmanos e os príncipes alemães protestantes contra os católicos Habsburgos (detentores da Coroa do Sacro Império Romano Germânico). 
A Religião do Imperador e a Guerra Civil inglesa de 1642 
A Religião do Imperador do Sacro Império Romano Germânico era um assunto de extrema importância. Em 1618 (ano de início da Guerra dos 30 anos), a Nobreza Boêmia escolhe o eleitor protestante do Palatinado para ser seu rei. Também sonhavam fazê-lo imperador. 
A Nobreza Boêmia não realizou seu sonho e o Imperador eleito foi Fernando da Estíria, um Habsburgo, que logo derrotou os Boêmios na Batalha da Montanha Branca, em 1620. Na sequência, tropas espanholas ocuparam o Palatinado, que foi absorvido pela católica Baviera. Essas notícias geraram descontentamento na Inglaterra protestante. Mas o Rei Inglês, Carlos I, não agia, não intervinha no conflito europeu, para ajudar os Protestantes holandeses e alemães contra o avanço dos católicos sob o comando do Imperador Habsburgo na Alemanha e na Holanda. A segurança da Inglaterra protestante dependia da Alemanha não cair nas mãos dos Católicos. E se a Alemanha caísse, Holanda, a primeira linha de deseja inglesa, também cairia.

"Em suma, a grande Rebelião contra Carlos I foi na sua essência uma revolta contra a política externa dos Stuart." (página 58)

1642: Guerra Civil Inglesa
1646: O rei inglês Carlos I é derrotado
1649: O rei é executado e a Monarquia cede lugar a um Protetorado sob Oliver Cromwell

"No fim das contas, foi porque nos vinte anos anteriores não tinham entrado em guerra eficazmente em favor da causa protestante na Europa que os ingleses entraram em guerra uns com os outros em 1642." (página 58)

Fonte: 
Anotações extraídas da leitura do Livro: "Europa, a Luta pela Supremacia, de 1453 aos Nossos Dias", Brendan Simms, Editora Edições 70

sábado, 15 de junho de 2019

Gengis Khan Temujin Nascimento Família Hunos Burkhan Khaldun


Nascimento:
Temujin, que viria a se tornar Gengis Khan, nasceu em 1162, nas proximidades da Montanha Burkhan Khaldun, próximo ao rio onon, onde hoje se localiza a atual Mongólia.
Família (pai e mãe):
Temujin era filho de Hoelun, da tribo Merkid, que tinha sido raptada por aquele que viria se tornar o seu pai, Yesugei. 
Yesugei era oriundo de um grupo pequeno que um dia seria conhecido como os mongóis, mas nessa época era apenas membro do clã Borijin. Yesugei na época em que raptou Hoelun já era casado e tinha filhos
Geografia da Mongólia da época de Temujin:
A Mongólia poderia ser dividida em três partes: a parte norte, fazendo fronteira com a atual Rússia (Sibéria), havia montanhas, dentre elas a venerada Burkhan Khaldun. No centro havia estepes e ao sul havia o Deserto de Gobi, fazendo fronteira com a região que hoje é a China. O grupo de Temujin localizava-se no nordeste do que hoje é a Mongólia, numa área onde terminava a estepe e começava a Montanha Burkhan Khaldun. Ali havia poucos rebanhos, viviam da caça, competiam com os lobos pela caça, raptavam esposas de outras tribos e roubavam animais dos habitantes das estepes.
Mongóis e seus parentes próximos:
Os mongóis eram nômades. Seu parentes próximos eram os tártaros e os Khitan (leste). Mais a leste ainda havia os Manchu. A oeste havia tribos túrquicas (Ásia Central). Esses grupos compartilhavam uma herança cultural e linguística com as tribos da Sibéria.
Geralmente as tribos túrquicas e os tártaros se uniam em Confederações Tribais. Já os Mongóis viviam em pequenos bandos, liderados por um chefe, o Khan. Geralmente as pessoas que integravam esses bandos possuíam laços de parentesco. 
Mongóis e Hunos:
Os Mongóis se declaravam descendentes dos Hunos. "Hun" é a palavra mongol para "Ser Humano". Os Hunos foram os primeiros fundadores de um Império na Estepe, no século III d.C. Os mongóis chamavam seus ancestrais Hunos de "O Povo do Sol"(Hunnu).
Origem do nome Temujin:
O nome "Temujin" foi tirado de um guerreiro tártaro que tinha sido morto pelo próprio pai de Temujin.


Fonte: Anotações extraídas da Leitura do Livro Gengis Khan e Formação do Mundo Moderno, Jack Weatherford, editora Bertrand Brasil, páginas 46/64

Religião dos Mongóis, Seguidores de Gengis Khan


Os Mongóis eram animistas. Cultuavam o "Eterno Céu Azul", a "Luz Dourada do Sol". Cultuavam Montanhas, como a Burkhan Khaldun.
Para os Mongóis a alma estava presente nas essências em movimento: sangue, respiração, olfato. De forma análoga, a alma da Terra estava nos rios.
Os Mongóis acreditavam que Deus era o "eterno céu azul", que se estendia de horizonte a horizonte, não podendo ser confinado numa casa de pedra, fosse ela uma mesquita ou uma igreja cristã. Tampouco as palavras de Deus poderiam ser capturadas e colocadas num livro (bíblia, corão). 

Fonte: Anotações extraídas da leitura do Livro "Gengis Khan", e a formação do Mundo Moderno, Jack Weatherford, editora Bertrand Brasil, página 51 e 87/88)

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Chernobyl Tchernóbil



"Você não deve se esquecer de que isso que está na sua frente não é mais o seu marido, a pessoa que você ama, mas um elemento radioativo com alto poder de contaminação. Não seja suicida. Recobre a sensatez."
°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°
(Conselho dado a Liúcienka, esposa de um bombeiro (Vássia) contaminado pela radioatividade proveniente da explosão do reator 4 da Usina de Chernobyl/Tchernóbil. Vássia estava internado num hospital em Moscou e sua esposa, que o visitava, era orientada para que não o abraçasse, não o beijasse, sob pena dela ser contaminada )

(Fonte: Vozes de Tchernóbil, a história oral do desastre nuclear, Svetlana Aleksiévitch, Editora Companhia das Letras, página 28)

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Alta Idade Média O Sonho da Monarquia Universal e a Disputa pela Alemanha.



ALTA IDADE MÉDIA NA EUROPA CENTRAL E OCIDENTAL: 
Havia uma identidade comum na figura do chefe espiritual representado pelo Papa, chefe da Igreja Católica, em Oposição ao Islã, que avançava no Sudeste (Conquista de Constantinopla em 1453) e que recuava na Península Ibérica.
O COTIDIANO DAS PESSOAS COMUNS:
A vida das pessoas girava em torno da Igreja, para a qual pagavam um dízimo. Essas pessoas comuns ainda dependiam da proteção de um Senhor Feudal, para o qual pagavam tributos.
GEOGRAFIA EUROPEIA
O homem europeu se via na margem de um mundo cujo centro localizava-se na Terra Santa, em Jerusalém. Quando os Portugueses se lançaram na exploração da Costa Ocidental africana (conquista de Ceuta em 1415), objetivavam flanquear os islâmicos no Oriente. "A Europa expandiu-se, por assim dizer, em legítima defesa." (página 35)
SACRO IMPÉRIO ROMANO GERMÂNICO:
Germânico a partir de 1450. Sacro Império foi o sucessor do Império Romano do Ocidente. Naquela altura, encontrava-se enfraquecido, mal conseguindo organizar a defesa comum. Muitas línguas eram faladas no interior do Sacro Império: italiano, alemão, tcheco, holandês, francês.
MEADOS DO SÉCULO XV:
Dois eventos devem ser destacados: queda de Constantinopla nas mãos do Otomanos e queda dos Ingleses na França. Com o fim do perigo inglês, os Franceses voltaram suas atenções para o Sacro Império Romano Germânico.
SACRO IMPÉRIO ROMANO GERMÂNICO CERCADO:
Em meados do século XV, o Sacro Império viu-se cercado por duas potências em ascensão: a oeste, pela França e a leste, pelo Império Otomano. 
MONARQUIA UNIVERSAL:
O Habsburgo Carlos V, detentor da Coroa de Sacro Imperador Romano Germânico, acalentava a ambição de tornar Universal o seu Império. O sonho de uma Monarquia Universal não era exclusividade de Carlos V. No Leste, os Otomanos, inebriados com a Conquista de Constantinopla em 1453, desejavam tornar seu Império Universal, reivindicando para si a herança do Império Romano. Solimão, o Magnífico, buscava expandir o poder Otomano pelo Mar Mediterrâneo e pela Europa Central. Os Otomanos forçariam a entrada na Europa, sendo detidos duas vezes às portas de Viena (1529 e 1683).
HABSBURGOS, PROTETORES DA CRISTANDADE:
Os Habsburgos se vendiam como os Protetores da Cristandade Ocidental contra o avanço islâmicos otomano. Em 1519, Carlos V, um Habsburgo, seria eleito Sacro Imperador Romano Germânico. Naquela altura, Carlos V governava Nápoles, Áustria, Boêmia, Novo Mundo nas Américas e Países Baixos. Era chamado de "Rei dos Romanos e Imperador do Mundo" (página 42)
O SONHO DE UMA MONARQUIA UNIVERSAL CAI POR TERRA:
O Sonho de Carlos V de erigir uma Monarquia Universal caiu por terra ao ser derrotado por suecos, príncipes alemães, França e Inglaterra. Carlos V teve que dividir sua herança entre um ramo austríaco e um ramo espanhol dos Habsburgos.
DESUNIÃO DO SACRO IMPÉRIO ROMANO GERMÂNICO
Carlos V era tinha a Coroa do Sacro Império mas não tinha a união de que precisava para erigir seu Império Universal. Dentro do Sacro Império Romano Germânico havia muitos senhores (príncipes alemães, cidades livres e o Imperador). Essa desunião era explorada pelos inimigos. Era uma desunião que enfraquecia e dificultava a estratégia de defesa de uma área central da Europa (atual Alemanha)
FRANÇA E A NECESSIDADE DE ROMPER O CERCO HABSBURGO
A França via-se cercada pela Dinastia Habsburgo. No sul, havia a Espanha, governada por um Habsburgo. O mesmo acontecia no norte (Flandres) e no Leste. A França teria que lutar para romper esse cerco e assim o fez. A política francesa, em relação ao Sacro Império Romano Germânico, consistia em colocar os príncipes alemães contra o Imperador. Se os príncipes alemães se unissem em torno do Imperador Habsburgo, a França pouco poderia fazer para obstar uma invasão alemã ao seu território.
HOLANDA TAMBÉM DEPENDIA DA DESUNIÃO NO SACRO IMPÉRIO ROMANO GERMÂNICO PARA SOBREVIVER.
O que acontecia na Alemanha também era vital para a existência da Holanda. Os holandeses se libertaram dos espanhóis no final do século XVI. Dessa forma, a Holanda torcia para que os príncipes alemães não se unissem ao Imperador Habsburgo. A dinastia Habsburgo detinha a coroa do Sacro Império, a coroa Espanhola e a coroa Austríaca.
GRÃ-BRETANHA
A Grã-Bretanha, apesar de ser uma ilha, não podia ficar indiferente ao que acontecia no continente, principalmente na Alemanha, pois sua primeira defesa seria nos Países Baixos, de forma que a independência holandesa era de seu interesse estratégico.
SUÉCIA
A Suécia também via o destino da Alemanha com preocupação. Ela temia que o Imperador Habsburgo unisse os príncipes alemães numa frente para a criação de uma Monarquia Universal Católica. Foi por esse motivo que o rei sueco, Gustavo Adolfo, interviu na Guerra dos Trinta Anos (1618 -1648). A Suécia, um reino protestante, não poderia permitir que o Imperador Católico Habsburgo penetrasse na Alemanha, aproximando-se de sua fronteira.
SACRO IMPÉRIO ROMANO GERMÂNICO ERA COBIÇADO POR TODOS.
"Quem dominasse a Alemanha poderia subjugar outros reinos." (página 49)
O Sacro Império, que abrange em grande parte a atual Alemanha, tinha recursos inexplorados. Possuía 15 milhões de habitantes. A coroa do Sacro Império Romano Germânico era obtida por meio de uma eleição. Em teoria, o Sacro Imperador estaria acima de todos os outros monarcas europeus. Isso acarretou uma campanha pela Coroa entre os Monarcas Europeus. Henrique VIII, rei da Inglaterra, queria ser eleito. Havia subornos para conseguir se eleger. Carlos V, em 1519, valeu-se de suborno para se eleger Imperador, mas não conseguiu que seu filho Filipe, rei da Espanha, lhe sucedesse como Rei dos Romanos. A Coroa de Imperador acabou indo para o ramo austríaco da Família Habsburgo.


Fonte: Anotações extraídas da leitura do Livro: Europa, a Luta pela Supremacia, de 1453 aos Nossos Dias, Brendan Simms, Editora Edições 70

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Pecado Original Agostinho Massa Damnata



Agostinho de Hipona associava o desejo sexual com o cometimento de pecados. Segundo ele, haveria uma relação natural e inevitável entre o desejo sexual e o cometimento de pecados.
Antes disso, no século II d.C., Tertuliano de Cartago cunhou a expressão PECADO ORIGINAL, dizendo que ele era o primeiro pecado praticado, ainda no Jardim do Éden.
Agostinho se apropriou dessa ideia do Pecado Original, dizendo que a Luxúria seria um veículo para se chegar nele. Agostinho dizia que o nascimento de qualquer pessoa estava ligado ao Pecado Original, pois qualquer processo de concepção de um ser não pode ser feita sem a presença da Luxúria.
Para Agostinho, Adão e Eva poderiam ter feito sexo sem luxúria, mas escolheram fazê-lo com lascívia. Adão e Eva, com efeito, como seres humanos que são, só são livres para pecar.
Para Agostinha, Deus é bom, mas todos nós nascemos maus. Somos frutos de um Pecado Original. 
Mesmo que você faça o bem, o fará pela Graça de Deus. Todas as demais pessoas são uma MASSA DAMNATA (Massa de Condenados).
Deus, à sua maneira inescrutável, escolherá um pequeno grupo de pessoas para ser salvo. 
Para Agostinho, a justificativa para a existência da Escravidão poderia ser erigida sobre a concepção segundo a qual há nesse mundo pessoas boas e pessoas más. As boas poderiam escravizar as pessoas pecadoras.
Agostinho extraía a sua autoridade de Deus, de forma que muito do que escrevia por vezes poderia contrariar a Bíblia sem que com isso se visse repreendido ou contestado. 
Santo Agostinho foi influenciado por uma Seita Cristã denominada MANIQUEUS.
Os Maniqueus viam o Mundo como uma luta entre a Escuridão e a Luz. A alma seria uma partícula de luz aprisionada pelo mundo físico, pelo corpo, daí o desprezo dessa seita pelos desejos físicos, pelo sexo.
O desejo sexual era apenas mais um estímulo externo que fazia com que o ser humano, cego pelo desejo carnal, virasse as costas para Deus, afastando-se dele. 

ANOTAÇÕES extraídas do Livro CASOS FILOSÓFICOS, de Martin Cohen, Editora Civilização Brasileira, páginas 96/100

sábado, 8 de junho de 2019

Balaclava A Carga da Brigada Ligeira Guerra da Crimeia


Balaclava é uma enseada localizada na Península da Crimeia, atual Rússia.
Ela serviu de porto para o Britânicos, que o utilizaram como local de desembarque de suprimentos para tropas inglesas que sitiavam a cidade de Sebastopol.
O nome Balaclava deriva de Bella Clava (belo porto), que no passado foi usado pelos genoveses, até serem expulsos pelos Otomanos no século XV.
Balaclava ficou conhecida em razão de uma batalha que aconteceu ali no dia 25 de outubro de 1854, no contexto da Guerra da Crimeia (guerra travada pela Rússia contra uma aliança formada pelo Império Otomano, Grã-Bretanha, França e Piemonte, durantes os anos 1854/1855)
Como dito acima, os Britânicos utilizavam Balaclava como um Porto para o escoamento de suprimentos de sua tropas que sitiavam Sebastopol.
Em 25 de outubro de 1854 os Russos resolveram atacá-lo. O ataque fracassou, Balaclava continuou na posse dos Britânicos, mas o que ficou para a história foi uma carga da cavalaria ligeira britânica contra redutos russos protegidos por baterias de artilharia, cavalaria e infantaria russas.
No início do ataque, os Russos tomaram 4 redutos no Monte Causeway, que eram guarnecidos por tunisianos (a Tunísia fazia parte do Império Otomano) e por canhões de fabricação britânica. Os tunisianos, mal treinados, fugiram, em direção ao porto, deixando para trás os canhões britânicos. Na sequência, o ataque russo foi obstado pela ação dos Highlanders e pela Cavalaria pesada britânica. Os russos então deram início a uma retirada, levando consigo os canhões britânicos, apreendidos no início da batalha.
O problema foi a saída dos Russos levando consigo os canhões britânicos, pois isso violava uma tradição militar britânica, derivada da história do Duque de Wellington, que nunca deixou uma peça de artilharia britânica ser capturada pelo inimigo.
O comandante das Forças Britânicas na Crimeia, Lord Raglan, temia que canhões britânicos fossem usados como troféus pelos russos, de forma que ele ordenou que a cavalaria ligeira britânica, sob o comando de Lorde Lucan, efetuasse uma carga para retomá-las.
O problema é que a ordem emitida por Lord Raglan era genérica, não especificando quais peças de artilharia deveriam ser capturadas, se eram as russas ou se eram as britânicas. 
Para piorar, a cavalaria ligeira teria que atravessar 2 mil metros de extensão num vale, tendo à sua frente, forças russas formadas por artilharia, cavalaria e infantaria, tendo à sua esquerda o monte Causeway, guarnecidas pelos russos com os canhões britânicos capturados e ainda tendo à direita no fundo do vale outro grupo de russos. Se a ordem do ataque fosse direcionada para retomar as peças de artilharia britânicas localizadas no Monte Causeway, seria factível cumpri-la, mas se fossem as russas, a carga da cavalaria ligeira seria praticamente submetida a uma ação suicida, indo ao fundo do vale, percorrendo 2 quilômetros em meio a uma saraivada de projéteis vindos de canhões e carabinas.
Ao final de tudo, Lord Lucan, na dúvida sobre qual caminho seguir, com uma ordem genérica e erroneamente transmitida para ser cumprida, com seus comandados exigindo uma ação que justificasse a fama da cavalaria ligeira britânica como a melhor do mundo, resolveu tomar o caminho mais difícil, atravessando os 2 mil metros de extensão do vale, em meio a um bombardeio, alvejado pela frente e pelos flancos direito e esquerdo, indo ao fundo do vale, em direção à principal força russa. 
"Dos 661 homens que iniciaram a carga, 113 foram mortos, 134 feridos e 45 feitos prisioneiros, 362 cavalos foram perdidos ou mortos" (página 274)
Essa batalha resultou no poema de Alfred Tennyson, intitulado "A Carga da Brigada Ligeira"

"Avante brigada ligeira!
Havia algum homem abatido?
Não, embora os soldados soubessem
Alguém havia falhado:
Não cabia a eles retrucar,
Nem a eles questionar,
A eles apenas agir e morrer;
Para o vale da Morte
Cavalgaram os seiscentos."
(página 275)

Fonte: Crimeia, a história da guerra que redesenhou o mapa da Europa no século XIX, Orlando Figes, Editora Record, páginas 265/275

terça-feira, 14 de maio de 2019

O Comunismo é um Parasita que se alimenta de tecidos doentes



"O Comunismo é um parasita maligno que se alimenta apenas de tecidos doentes." (George Kennan, diplomata americano, 1946) - página 270

Esse foi o pensamento que resultou na Criação do Plano Marshall em 1947. Esse plano visava a recuperação econômica da Europa. 

"O Objetivo dos planejadores do Marshall era uma economia de mercado operante, mas eles estavam convencidos de que apenas a regulamentação do Estado e a colaboração entre trabalho e capital poderiam criá-la. Portanto, envolveram os sindicatos, além dos empregadores, no planejamento; se tanto o capital como o trabalho estivessem comprometidos com o crescimento e com os padrões de vida para todos, argumentavam eles, as velhas lutas de classes do passado poderiam ser superadas." (página 271)

Stalin, por sua vez, dizia que o Plano Marshall era uma coleira de cachorro que os americanos queriam impor aos países que viessem a adotar o plano. (página 277)

(Fonte: A Bandeira Vermelha, a História do Comunismo, David Priestland, Editora Leya)

quinta-feira, 9 de maio de 2019

Sistemas de Pensamento Político Eric Voegelin



Grandes Sistemas de Pensamento Político, segundo Eric Voegelin:

a) Platão e Aristóteles: Marcam o fim da Polis - Cidade-Estado
b) Agostinho: Fim da Cristandade Romana
c) Tomás de Aquino: Transição da Alta Idade Média para o Renascimento
d) Hegel: Fim do Período do Estado Nacional

Eric Voegelin trás uma reflexão: houve algum grande sistema de pensamento político no período compreendido entre Agostinho e Tomás de Aquino? Seria correto classificar esse período (séculos V, VI, VII, VIII, IX, X, XI, XII) como Idade das Trevas, idade estéril em matéria de grandes sistemas de pensamento político? Eric Voegelin diz que é errado dizer que não houve ideias políticas nesse período. 

"A Humanidade não cessa de ter ideias Políticas." (página 77)

Foi um período caracterizado pela agonia e cisão do Império Romano, que sucumbiu sob as invasões bárbaras. Mas a história não terminou em 476 d.C. Uma nova evocação precisaria surgir para substituir o Império Romano do Ocidente. Essa nova evocação foi o Império Carolíngio, cuja personalidade régia foi erigida segundo o sistema paulino das funções carismáticas. Nessa concepção, não havia distinção entre Estado e Igreja, porque clérigos e leigos representavam, respectivamente, a persona sacerdotalis (sacerdote) e a persona regalis (rei/leigo), que eram concebidos como os membros de um mesmo corpo, o Corpo de Cristo. Nesse momento, eram necessários:
a)primeiramente, superar a evocação do moribundo Império Romano do Ocidente. 
b)depois, era necessário uma nova evocação, o Império Carolíngio, com o tempo necessário para fazê-lo aceitável, convincente para o povo, representando ele, o Império Carolíngio, o destino e a vontade de Deus. 
c)por último, havia a tensão entre a ideia e a realidade. Essa tensão vai fixar a linha de evolução da realidade em direção à ideia.


Fonte: Idade Média até Tomás de Aquino. História das Ideias Políticas, Volume 2, Editora É Realizações, Coleção Filosofia Atual.

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Sacrum Imperium - Império Carolíngio Ano 800 d.C Coração de Carlos Magno Imperador Sacro Império Romano



O Sacrum Imperium evoca o Corpo de Cristo (Corpo Místico) como elemento unificador e justificador de sua existência. 

Sacrum Imperium é o Império Carolíngio, é o Sacro Império Romano, que nasceu no natal do ano 800 d.C., com a Coroação de Carlos Magno.

Com a queda do Império Romano, em 476, era preciso criar uma nova entidade que congregasse em si um poder temporal e um poder espiritual. Daí a coroação de Carlos Magno no ano 800 d.C., com a criação do Sacro Império Romano (Império Carolíngio). O poder temporal era representado pelo Império Carolíngio de Carlos Magno. O poder espiritual era representado pelo Papa.

Os dois poderes, o Temporal de Carlos Magno, e o Espiritual do Papa, se amalgamaram, se uniram, de forma que não havia separação entre Igreja e Estado, pois ambos pertenciam a um mesmo corpo, o Corpo de Cristo, o Corpo Místico.

O Poder da Igreja emana de Cristo, cabeça do Corpo Místico. 
Desse Corpo Místico podemos extrair ainda seus membros, que são dois:
1)Persona Regalis (Pessoa do Rei/Leigos) 
2)Persona Sacerdotalis (Pessoa do Sacerdote/Clérigos)

Rei e Sacerdote, Leigo e Clérigo pertencem a um mesmo corpo, o Corpo de Cristo, o Corpo Místico, de forma que Estado e Igreja estavam unidos.

Fonte: Anotações extraídas da Leitura do Livro: Idade Média até Tomás de Aquino - História das Ideias Políticas, Volume II, Eric Voegelin, Editora É Realizações, Coleção Filosofia Atual.


domingo, 5 de maio de 2019

A Fome na Ucrânia Soviética 1



Anotações extraídas da leitura do Livro Terras de Sangue, A Europa entre Hitler e Stalin, Timothy Snyder, Editora Record, 2012.

"São os rebentos da primavera socialista" (página 51): Menção a uma criança faminta, que buscava a última gota de leite no seio de sua mãe já sem vida.

"O trabalho de construir o socialismo seria como erguer o oceano." (página 52)

Kulaks: Eram fazendeiros abastados, bem sucedidos, moradores da Ucrânia. Os Kulaks deveriam desaparecer como classe. A história é uma luta de classes. Os pobres lutando para derrubar os ricos. Somente dessa forma a história poderia avançar. Quem era Kulak estava sujeito ao exílio ou a ser morto. Se não fosse morto, seria exilado e usado em algum campo de Trabalhos forçados: intensa utilização para a economia soviética.

Coletivização das Terras: Quem tinha a perder com a coletivização? Seriam os agricultores que de alguma forma tinham prosperado com seu trabalho. Gulag, as prisões soviéticas de trabalhos forçados, e a Coletivização, andavam juntas (página 53).

Coletivização das Terras >> Gulag >> Camponeses livres viram escravos >> Mão-de-obra utilizada na construção de fábricas, canais e na exploração de minas >> Esse trabalho forçado resultou na modernização da URSS.

Trabalhadores das cidades eram utilizados pelo Regime Soviético para coagir os camponeses que resistiam à coletivização (página 55)

Fazenda Coletiva: O camponês, estabelecida a coletivização, já não tinha mais o direito de utilizar sua terra para seu próprio objetivo. Enquanto um agricultor livre depende de si mesmo, numa fazenda coletiva ocorre o diverso: o agricultor dependia dos líderes locais para garantir seu emprego e sua alimentação. (página 55)

Propriedade Estatal: Toda produção agrícola era declarada propriedade estatal; qualquer coleta desautorizada de alimento seria considerada roubo. O Socialismo, assim como o Capitalismo, necessitava de leis que protegessem a propriedade, nesse caso, Estatal. Era a base legal do coletivismo. 

Jovens Comunistas: Moradores das cidades, estudantes. Tiveram uma ascensão durante o regime comunista. Viam nos camponeses a figura do reacionário, que sabotaria o triunfo do comunismo (página 67)

Narrativa do Governo Soviético para rebater a evidência de que camponeses ucranianos e suas famílias estavam morrendo de fome: A resistência ao socialismo crescia à medida que seu sucesso aumentava. (página 69). O país melhorava. Imediatamente, inimigos do socialismo, aterrorizados com a iminência do sucesso socialista, buscavam sabotar o país. O problema que surgia, como a Fome, era então um sinal de que as coisas iam bem. A Fome seria um conto de fadas inventado por sabotadores do Regime Comunista. (página 69) Um camponês morrendo de fome era um sabotador a serviço das potências capitalistas, (página 69) A fome intencionalmente impingida a si mesmo e à sua família era apenas uma fachada atrás da qual havia a intenção de destruir o Socialismo. Odiavam tanto o socialismo que os esfomeados colocavam a própria vida em risco. (página 70)


"Diariamente, cerca de 40 mil pessoas esperavam por um pedaço de pão. Os que faziam fila estavam tão desesperados em guardar seus lugares que se afivelavam com cintos àqueles imediatamente à sua frente. Alguns estavam tão fracos de inanição que não conseguiam ficar em pé, sem o amparo dos outros." (página 48)




A Alma perdida de Gengis Khan



A Alma do guerreiro mongol era corporificada e materializada no SULDE (Estandarte do Espírito), que era uma lança na qual eram amarradas, à sua haste, logo abaixo da lâmina, as crinas dos melhores cavalos, dos melhores garanhões de um guerreiro.

"Sempre que montava seu acampamento, o guerreiro fincava o Estandarte do Espírito do lado de fora para proclamar sua identidade e para que este se impusesse como seu guardião perpétuo." (página 16)

"O Estandarte do Espírito sempre ficava ao ar livre, sob o Eterno Céu azul que os mongóis cultuavam." (página 16)

"Na medida em que os fios das crinas se agitavam e oscilavam na brisa praticamente constante das estepes, capturavam a energia do vento, do céu e do sol, e o estandarte canalizava essas energias para o guerreiro." (página 16)

"O flamular e o agitar das crinas ao vento incitavam seu proprietário a seguir sempre em frente, incitando-o a abandonar um lugar em busca de outro, para encontrar um pasto melhor, explorar novas oportunidades e aventuras, além de criar o próprio destino de sua vida neste mundo." (página 16)

"Enquanto estava vivo, o Estandarte de crinas carregava seu destino; na morte, ele se tornava sua alma." (página 16)

Gengis Khan tinha dois Estandartes (Sulde). O Estandarte do Espírito de Gengis Khan era a corporificação de seu espírito após a sua morte. Antes disso, ele representava a necessidade de se aventurar pelo mundo. Um para os tempos de paz, com crinas de cavalo brancas, e outro para tempos de guerra, com crinas negras. A primeira desapareceu. A de Crinas negras foi mantida num mosteiro mongol até o ano de 1937, quando desapareceu.

"Na década de 30, os capangas de Stalin executaram cerca de 30 mil mongóis em uma série de campanhas contra sua cultura e religião. As tropas destruíram um mosteiro atrás do outro, atiravam nos monges, atacaram as monjas, quebraram objetos religiosos, saquearam as bibliotecas, queimaram as escrituras e demoliram os templos. Mas a corporificação da alma de Gengis Khan havia sido salva da ação criminosa dos comunistas. Alguém a teria escondido na capital da Mongólia, Ulaanbaatar." (páginas 15/17)

No final das contas, o Sulde de crinas negras de Gengis Khan acabou sendo perdido, em meio à agitação verificada nos anos finais da década de 30 do século passado.

(Fonte: Gengis Khan e a formação do Mundo Moderno, Jack Weatherford, editora Bertrand Brasil)

sábado, 4 de maio de 2019

Ordens Militares



ORDENS MILITARES:

1) TEMPLÁRIOS: 1118, século XII

2) Cavaleiros de São João: 1080, século XI, Hospitalários.

3) Cavaleiros Teutônicos: 1190 - 1198, século XII: Camponeses de Lubeck e Bremen, diante do desemparo suportado pelos Germânicos durante o cerco à cidade de Acre, situada na Ásia, resolvem criar uma Ordem que fornecesse ajuda médica aos cruzados germânicos. Reincorporados como ordem militar em 1198, por meio de ato assinado pelo Papa Celestino.

Gênese dos Cavaleiros Teutônicos:

"O estabelecimento da Ordem Teutônica foi fruto de um desespero, não pela falta de guerreiros, mas, sim, pela falta de auxílio médico. Os exércitos cruzados que sitiavam Acre em 1190 haviam sido dizimados por doenças, pois os soldados do norte da Europa não estavam acostumados com o calor, à água ou à comida, e as condições sanitárias eram totalmente insatisfatórias. Incapazes de enterrar adequadamente os mortos, eles atiravam os corpos no fosso que os separava das muralhas, juntamente com o cascalho que usavam para cobrir o obstáculo. O cheiro dos corpos pairava sobre o acampamento como uma neblina. Tomados pela febre, muitos soldados morriam, e o imenso número de insetos que zuniam ao redor ou que pousavam, como um enxame, sobre seus corpos, apenas aumentava a agonia. As unidades médicas estavam sobrecarregadas e, além disso, os hospitalários favoreciam seus compatriotas franceses e ingleses (uma distinção difícil de ser feita, pois o Rei Ricardo possuía apenas metade da França). Os germânicos foram deixados à própria sorte. A situação era intolerável e lhes parecia que iria durar indefinidamente - o cerco não mostrava sinais de que terminaria em breve, e nenhum monarca germânico vinha do leste reivindicar melhor cuidado médico para seus homens. Consequentemente, alguns camponeses de Bremen e Lubeck decidiram fundar uma ordem médica que cuidasse dos doentes germânicos." (páginas 29/30)

(Fonte: Os Cavaleiros Teutônicos, Uma História Militar, de William Urban - Editora Madras)