domingo, 7 de julho de 2013

Inteira Ausência



O CLARO RIO REFLETE MAIS DE MIL SALGUEIROS.

PASSARAM SOB A VELHA PONTE OS ANOS, VINTE;

A PONTE À DESPEDIDA, A BELEZA PARTIDA,

SEM MAIS NOTÍCIA AO TEMPO IDO, A INTEIRA AUSÊNCIA.

por Liu Yuxi

tradução Ricardo Primo Portugal e Tan Xiao
FOLHA DE SÃO PAULO, domingo, 7 de julho de 2013
Caderno ILUSTRÍSSIMA, página 8
ACERVO FOLHA:
http://acervo.folha.com.br/

terça-feira, 7 de maio de 2013

Ainda bem

COGITATIONIS POENAM NEMO PATITUR

Ninguém pode ser punido por pensar


Fonte:
Dicionário Técnico Jurídico Rideel (Deocleciano Torrieri Guimarães)

terça-feira, 30 de abril de 2013

Radovan Ivsic

DE TUDO QUE SEI
E QUE SEI QUE SABES
DE TUDO QUE VEJO
E QUE SEI QUE TU VÊS
DE TUDO QUE OUÇO
QUANDO ESCUTO TEU CORAÇÃO
DE TUDO QUE ME DIZES
E QUE TANTO AMO
DE TUDO QUE SE PASSA
QUANDO FECHAS OS OLHOS
DE TODOS OS SONHOS
DE TODAS AS ESTRELAS
DE TODAS AS NUVENS
DE TUDO ISSO SABES
O QUE ME ALEGRA AINDA MAIS?

DE TUDO ISSO QUE ME ALEGRA AINDA MAIS
E QUE SEI QUE SABES
PORQUE TU SABES E EU TAMBÉM
TU SABES QUE ME AMA
E EU SEI QUE TE AMO

Radovan Ivsic
tradução: eclair antonio almeida filho
Jornal Folha de São Paulo, caderno ilustríssima, domingo, 21 de abril de 2013.
http://acervo.folha.com.br/

Nada perturba tanto...

"Nada perturba tanto as vidas que vivemos como as vidas que não vivemos."

João Pereira Coutinho
Frase extraída de artigo publicado no Jornal Folha de São Paulo, terça-feira, dia 30 de abril de 2013, caderno Ilustrada, página E6
http://acervo.folha.com.br/

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Leis deste viver


"Ah, se Deus nos deixasse, Amor, interceder

para apagar as tristes Leis desse Viver,

somente obedecendo à voz do Coração,

que Livro diferente iríamos escrever!"


Rubáyát

memória de Omar Khayyám

Editora Unesp. Tradução, notas e apresentação: Luiz Antônio de Figueiredo.
http://www.editoraunesp.com.br/catalogo-detalhe.asp?ctl_id=1441

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Argila



Meu lábio degustou a sagrada Bebida


num Caneco de Argila, para entender a Vida.


Argila aconselhou: - "Contente-se em Beber,


não haverá mais vinho após a despedida.

Umar Ibn Ibráhim Al Khayyámi, Matemático Persa.
Rubáyát

Fim que nos espera

Enche a Taça de Vinho, e tua roupa severa


atira ao fogo acolhedor da Primavera!


Chega de contrição! O Pássaro do Tempo


abriu as asas rumo ao Fim que nos espera.

Umar Ibn Ibráhim Al Khayyámi

Matemático persa, escreveu o Rubáyát
http://www.editoraunesp.com.br/index.html

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Coisas



"É fácil dizer que tanto faz, 'deixa para lá, o passado está na gente, na nossa lembrança.' Fácil e um pouco falso: nossa identidade é sempre dispersa aos quatro ventos. Ela está nas pedras, nas coisas e nos outros."

Contardo Calligaris

Trecho de um texto - As coisas, os outros e os escombros - publicado no Jornal Folha de São Paulo - quinta-feira, 7 de junho de 2012, página E10

sábado, 28 de abril de 2012

Crença


"São poucas as pessoas saudáveis a ponto de conseguir viver sem se atormentar com a necessidade de resolver, como se diz, o enigma da vida. Ou seja, são poucas as pessoas para quem a experiência concreta se justifica por si só, pela alegria de viver. A maioria precisa recorrer a crenças que digam por que e para o que estamos aqui."

Contardo Calligaris

Fonte:
Folha de São Paulo, quinta-feira, dia 26 de abril de 2012, página E10, Ilustrada

segunda-feira, 16 de abril de 2012

De quanta terra precisa um homem?


"Nele, um camponês rico chamado Pahom fica sabendo do fértil solo na terra dos Bashkirs, além do Volga. É gente simples, e ele conseguirá toda a terra que quiser deles sem muito problema. Quando Pahom chega à terra dos Bashkirs, dizem-lhe que por mil rublos ele pode ter tanta terra quanto nela puder andar durante um dia inteiro. Pahom, desprezando-os pela falta de sofisticação, fica exultante. Tem certeza de que poderá percorrer uma grande distância. Quase assim que se pôs a andar, contudo, avista uma paisagem atraente atrás da outra, um lago ali, ou uma faixa de terra mais adiante que seria boa para cultivar linho. Então percebe que o sol começa a se pôr. Ao compreender o risco de perder tudo, começa a correr cada vez mais depressa para fazer a tempo o percurso de volta. 'Peguei demais', diz a si mesmo. e 'arruinei tudo'. O esforço mata-o. Ele morre no posto final, e ali mesmo, é enterrado. 'Seis palmos da cabeça aos joelhos era tudo o que precisava', foi a conclusão de Tolstoi. A diferença na história, menos de sessenta anos depois, estava não apenas num único homem enterrado ali na estepe, mas em centenas de milhares de mortos por procuração"


Nota do Blog:
Trecho de texto retirado do livro Stalingrado, o Cerco Fatal, de Antony Beevor. Antony faz uma analogia entre um texto escrito por Tolstoi em 1886 - De quanta terra precisa um homem - com a megalomania de Adolf Hitler. Os milhares de mortos por procuração foram os soldados alemães que lutaram na Rússia no período de 21 de junho de 1941 até o ano de 1944. Adolf Hitler outorgou poderes para que milhares de jovens alemães lutassem e morressem em seu nome. Aos alemães mortos, se somaram milhares de russos, civis e militares, que também pereceram durante o conflito. 

Dica de Leitura:
Stalingrado, o Cerco Fatal, Editora Record, Antony Beevor, 12º edição, 2011.

Fotos:

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Rousseau versus Hobbes


"O filósofo franco-suíço Jean-Jacques Rousseau (1712-78) acreditava que o homem era essencialmente "bom" quando vivia em "estado de natureza", antes da criação do Estado e da propriedade privada. Ele criticava seu antecessor britânico Thomas Hobbes (1588-1679), que defendia uma visão oposta. Para Hobbes, o homem era o lobo do homem, e só graças ao Estado essa anarquia, essa luta de todos contra todos, poderia cessar. O israelense mostra que a razão está com Hobbes. Não só em termos de teoria; a prática, o cotidiano, tem mostrado que o autor do "Leviatã" era mais realista. Um exemplo rápido: o grande problema da Somália, do Haiti ou dos morros cariocas não é o excesso de Estado, e sim a ausência do "Leviatã". Um Leviatã, um Estado de verdade, não terceiriza o monopólio da violência legítima."

FONTE:
Trecho do artigo:
GUERRA É GUERRA
Arqueólogos escavam as origens dos conflitos armados.
Ricardo Bonalume Neto.
Caderno Ilustríssima, Domingo, 8 de abril de 2012, página 06, Folha de São Paulo
Comentários ao livro do autor israelense Azar Gat War in Human Civization, Oxford University Press, 848 págs, R$ 96,00.

________________
Nota do Blog
Eu também concordo com Thomas Hobbes. Sem Estado iríamos viver em estado de guerra de todos contra todos. Sempre que há algo que tire as forças do Estado de circulação, o resultado a gente vê na forma de saques, violência, etc. 
Exemplos da verdadeira natureza humana não faltam:




segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Justiça


JUSTIÇA

O que a lei

não redime

é o crime

com defeito.


Se bem-feito

ou bonito,

o delito

talvez rime

com direito.


Se perfeito,

ora, o crime

é a lei.

Eugênio Bucci
Ilustríssima, Domingo, 21 de agosto de 2011, Folha de São Paulo, página 10.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Vida longa



"Hoje, eu vejo que uma das
gratificações de uma longa
vida é poder revisitá-la."


Roberto Damatta

terça-feira, 26 de abril de 2011

Ouvindo e tentando entender as razões dos outros



Quando eu faço triagens de pessoas que querem se divorciar, ouvindo-as, eu acabei concluindo o seguinte:

 
Por que o amor desaparece? Aquele casal que se amava e que depois de algum tempo, que nos dias atuais é cada vez menor, procura um advogado, senta-se diante dele e manifesta o desejo de não viver mais junto. Por vezes aqueles dois que se amavam nem se olham...olham para o advogado, para o teto, para o chão, para a estante cheia de livros mas não olham para aquela pessoa que está ali sentada ao lado dela e que outrara fora o amor de sua vida. É perceptível concluir ao ouvir esses casais à beira do divórcio que todo mundo busca, mas pouca gente consegue encontrar um amor que supere o maior dos desafios: o tempo. Num grande amor, capaz de sobreviver ao lado B da vida (a rotina, a dor, a doença, as instabilidades e as dificuldades financeiras) é preciso entender que o outro é, na verdade, muito diferente de nós. Nâo é nossa alma gêmea. Não sendo duas pessoas iguais, é preciso ser humilde e tentar compreendê-lo ou compreendê-la colocando-se no seu lugar.

É preciso entender também que uma relação amorosa não sobrevive sem diálogo. Mas isso não significa exclusivamente discutir a relação. Dialogar pode ser tratar de fatos do dia a dia, da família, do trabalho e até da vida e suas implicações. Os homens sempre imaginam que vão levar bronca quando começa uma conversa a dois. A diferença é que eles encaram conversas como um jeito de resolver problemas. Solucionar problemas é a forma masculina de demonstrar interesse. Aprenda a ouvir as queixas e as críticas dele sem se revoltar. O homem não encontra na mulher uma boa interlocutora porque ela não encara como sentimento as experiências que ele traz para a conversa. Mal interpretado, ele acaba silenciando. O ideal é revelar seus sentimentos, sem acusar. Diga sempre: é difícil para mim quando... ou fico triste ao perceber que... Isso não quer dizer que você deva engolir sapos. Pessoas que não dizem o que sentem acumulam mágoas e, mais cedo ou mais tarde, elas reaparecem e daí explodem. A ideia de felicidade conjugal depende da expectativa que se tem da união. Uma das chaves da felicidade a dois é a capacidade de se adaptar. O casal tem de administrar a imprevisibilidade da vida, sem sobrecarregar a relação com as tensões do dia a dia. O amor companheiro nasce da criatividade, que ensina a lidar com as divergências, sem querer mudar o parceiro.

segunda-feira, 7 de março de 2011

8 de março, DIA INTERNACIONAL DA MULHER

CÂNTICO DA TERRA

Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda a vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranquila ao teu esforço
Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.

Eu sou a grande mãe universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou amor.

A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranquilo dormirás.

CORA CORALINA
Coleção Melhores Poemas, seleção de Darcy França Denófrio, Editora Global Editora, 3º edição, 2004, São Paulo, páginas 311/312
http://www.globaleditora.com.br/

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

As artérias da pedra



AS ARTÉRIAS DA PEDRA


A pedra não filosofa.

Ela bloqueia no seu bloco

de pedra o pensamento

e a sua corda.

A pedra não acorda as coisas

nem dá corda

para metafísicas plangentes.

No seu bloco bloqueado,

a pedra dispensa a ânima

e o ânimo do fluxo líquido

das correntes.

A pedra não corre.

Ela se estaca

e se adensa

no lugar em que se assenta.

Quieta,

a pedra é menos lição

e mais experiência.

Contra ela batem coisas,

batem ventos

e batem outras pedras

diversas.

Mas ela não se move

nem se dispersa

em sua imóvel

siesta.

Nem no sono de sua siesta,

a pedra regurgita por dentro

algum pétreo

som de estômago.

Ou algum flúor

indômito

de qualquer ânsia

de vômito.

A pedra não metaboliza

nem expulsa seus alimentos

nos íntimos arcanos

de seu templo.

Ela concentra nos intestinos

de sua natureza

a cúpula fechada

e a argamassa espessa

de sua igreja.

Isto porque a pedra

mais dorme

do que come.

E o sono dela não é nem sonso

nem elétrico.

Seu sono de pedra

não é o sono épico

ou lírico

de um homem que sonha leve

e aceso.

Bem ao inverso,

seu sono,

de chumbo eterno,

é um sonho paralítico

e paquidérmico.

Tanto que,

silêncio calmo,

as artérias da pedra

são átomos

que, dentro dela,

não se explodem,

compactos que são

em seus ásperos

conformes.

Pois esta é a ciência

de seu nome: - a pedra

não tem as artérias

das árvores,

nem as artérias de nosso corpo

plantado nas veias

de nossa carne.

Dessa ciência,

a diferença nasce,

magna e plena,

entre a pedra

(com o minério esquivo

do seu todo exposto)

e a nossa carne

(com o mistério vivo

no peso de nosso corpo).

Por isso,

a diferença da ciência

da pedra

está no confronto

pronto de suas artérias.

E a diferença é esta:

- As artérias da pedra

só se fixam no todo

dos seus átomos exangues

e impávidos.

Assim inerte,

a pedra inscreve

o império

de seu monólogo fechado.

- As artérias do corpo,

ao contrário,

só se movem na carne

do nosso sangue

e seus intrépidos coágulos.

Assim ativa,

a carne aviva

o espelho

de seu diálogo sangrado.
 
Autor:
Mario Chamie

sábado, 18 de dezembro de 2010

AUSÊNCIA CHEIA





A CHÍCARA

Chícara posta sobre a mesa.
Ela traz em sua alça
a nostalgia dos dedos.
É preciso muita mão
para alçar
a chícara à altura dos
seus penedos.
Não que o penedo seja
alguma
montanha que se busca.
A questão não é assim 
difusa.
Antes de tudo,
há a chícara em si:
é porcelana, é louça?
É plataforma de formas
sobre o pires?
É a borra de café que
pousa para a leitura
dos elixires
de alguma sorte
sem rumo?
A chícara em si é e não é
o dado bruto de um
vácuo, cujo núcleo
não é o mundo
vago de uma sede vaga
e seca.
O oco da chícara dita
outra regra
sobre a mesa:-
a regra da ausência cheia
que, vazia, se preenche
por si mesma.

Autor:
Mário Chamie.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Quando a existência torna-se expiação


"O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Não há princípio que não seja desmentido nem instituição que não seja escarnecida. Já se não crê na honestidade dos homens públicos. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta a cada dia. A agiotagem explora o juro. A IGNORÂNCIA PESA SOBRE O POVO COMO UM NEVOEIRO. O número das escolas é dramático. A intriga política alastra-se por sobre a sonolência enfastiada do país. NÃO É UMA EXISTÊNCIA; É UMA EXPIAÇÃO. Diz-se por toda a parte: O país está perdido. Por isso, começamos a apontar o que podemos chamar de o progresso da decadência."
José Maria de Eça de Queiroz, 1871 (Esse texto foi extraído de uma crônica de Arnaldo Jabor, publicada no jornal O ESTADO DE SÃO PAULO, em 16.11.2010, CADERNO 2, página D10

________________________________
Trata-se de um texto escrito por Eça de Queiroz no qual ele traça um panorama do que era Portugal no século XIX. Acredito que essa descrição se coaduna com o que é o Brasil de hoje.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Passarinho


Sabe que uma vez vi no chão um passarinho doente. 
Estava frio e, para aquecê-lo, peguei um punhado de esterco que estava no jardim e o cobri com ela.
O passarinho melhorou e ficou tão quente e feliz que começou  piar.
Então, eis que surge um gavião...que ouviu os pios e deu um rasante e abocanhou o passarinho.
Moral da estória:
Nem sempre quem te põe na merda é seu inimigo e nem sempre quem o tira é seu amigo.
E o mais importante de tudo:
Passarinho que está na merda não dá um pio.

sábado, 22 de maio de 2010

Profecia



Os Irmãos Karamazov, de Dostoievski, Profecias de Ivan Fiodorovich:

Quando a humanidade, sem exceção, tiver renegado Deus, então cairá por si só, sem antropofagia, toda a velha concepção de mundo e, principalmente,  toda a velha moral, e começará o inteiramente novo. Os homens se juntarão para tomar da vida tudo o que ela pode dar, mas visando unicamente à felicidade e alegria neste mundo. O homem alcançará sua grandeza imbuindo- se do espírito de uma divina e titânica altivez, e surgirá o homem deus.Vencendo,a cada hora, com sua vontade e ciência, uma natureza já sem limites, o homem sentirá assim e a cada hora um gozo tão elevado que este lhe substituirá todas as antigas esperanças no gozo celestial. Cada um saberá que é plenamente mortal, não tem ressurreição, e aceitará a morte com altivez e tranquilidade...”

quarta-feira, 31 de março de 2010

DA HUMANA CONDIÇÃO


CUSTA O RICO A ENTRAR NO CÉU


(AFIRMA O POVO E NÃO ERRA).


PORÉM MUITO MAIS DIFÍCIL


É UM POBRE FICAR NA TERRA.


Mario Quintana.


Amigo


DO AMIGO


Olha! É como um vaso


De porcelana rara o teu amigo.


Nunca te sirvas dele...Que perigo!


Quebrar-se-ia, acaso...


Mario Quintana

Coleção Melhores Poemas, Seleção Fausto Cunha, http://www.globaleditora.com.br/

2005, 17º edição

sábado, 27 de março de 2010

DO ETERNO MISTÉRIO


"UM OUTRO MUNDO EXISTE...UMA OUTRA VIDA..."


MAS DE QUE SERVE IRES PARA LÁ?


BEM COMO AQUI, TUA ALMA ATÔNITA E PERDIDA


NADA COMPREENDERÁ


Mario Quintana


Coleção Melhores Poemas, seleção Fausto Cunha, editora global editora, 17º edição, São Paulo, 2005, página 78.

sábado, 13 de março de 2010

Buliçosas.............................................................................................................


"Eu vi duas borboletas amarelas pousadas no muro da tarde.


A borboleta maior enfiou numa coisa fininha que nem tripa de lambari


na borboleta menor.


Ambas tremeram de amor durante.


Depois voaram buliçosas pelas ruas do jardim."


Manoel de Barros.

Cuiabá(MT)

Livros:

Menino do Mato

Poesia Completa

(Editora Leya)

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Da vez primeira em que me assassinaram


Da vez primeira em que me assassinaram




Perdi um jeito de sorrir que eu tinha...




Depois, de cada vez que me mataram...




Foram levando qualquer coisa minha...






E hoje, dos meus cadáveres, eu sou




O mais desnudo, o que não tem mais nada...




Arde um toco de vela, amarelada...




Como o único bem que me ficou!






Vinde, corvos, chacais, ladrões da estrada!




Ah! desta mão, avaramente adunca,




ninguém há de arrancar-me a luz sagrada!






Aves da Noite! Asas do Horror! Voejai!




Que a luz, trêmula e triste com um ai,




A luz do morto não se apaga nunca!



Mario Quintana

Coleção Melhores Poemas, Seleção Fausto Cunha.

Editora Global Editora, 17º edição, São Paulo, 2005, p. 26


sábado, 20 de fevereiro de 2010

ERRADOS RUMOS


A caminhada....

Amassando a terra.

Carreando pedras.

Construindo com as mãos

sangrando

a minha vida.


Deserta a longa estrada.

Mortas as mãos viris

que se estendiam às minhas.

Dentro da mata bruta

leiteando imensos vegetais,

cavalgando o negro corcel da febre,

desmontado para sempre.


Passa a falange dos mortos...

Silêncio! Os namorados dormem.

Os poetas cobriram as liras.

Flutuam véus roxos

no espaço.


Na esquina do tempo morto,

a sombra dos velhos seresteiros.

A flauta. O violão. O bandolim.

Alertas as vigilantes

barroando portas e janelas

cerradas.

Cantava de amor a mocidade.


A estrada está deserta.

Alguma sombra escassa.

Buscando o pássaro perdido

morro acima, serra abaixo.

Ninho vazio de pedras.

Eu avante na busca fatigante

de um mundo impreciso,

todo meu,

feito de sonho incorpóreo

e terra crua.


Bandeiras rotas.

Desfraldadas.

Despedaçadas.

Quebrado o mastro

na luta desigual.


Sozinha...

Nua. Espoliada. Assexuada.

Sempre caminheira.

Morro acima. Serra abaixo.

Carreando pedras.


Longa procura

de uma furna escura

fugitiva me esconder,

escondida no meu mundo.

Longe...longe...

Indefinido longe.

Nem sei onde.


O tardio encontro...

Passado o tempo

de semear o vale

de colher o fruto.

O desencontro.

Da que veio cedo e do que veio tarde.


A candeia está apagada.

E na noite gélida

eu me vesti de cinzas.


Restos, Restolhos.

Renegados os mitos.

Quebrados os ícones.

Desfeitos os altares.

Meus olhos estão cansados.

Meus olhos estão cegos.

Os caminhos estão fechados.


Perdida e só...

No clamor da noite

escuto a maldição das pedras.

Meus errados rumos.

Apagada a lâmpada votiva,

tão inútil.



Cora Coralina.


Anna Lins dos Guimarães Peixoto Brêtas nasceu na cidade de Goiás, a 20 de agosto de 1889, na "Casa da Ponte". Hoje, sob o nome de Museu Casa de Cora Coralina, recebe turistas de todo o Brasil e do exterior. Morreu em Goiânia, a 10 de abril de 1985.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Mario Quintana


ENVELHECER



Antes, todos os caminhos iam.


Agora todos os caminhos vêm.


A casa é acolhedora, os livros poucos.


E eu mesmo preparo o chá para os fantasmas




SEMPRE


Sou o dono dos tesouros perdidos no fundo do mar.


Só o que está perdido é nosso para sempre.


Nós só amamos os amigos mortos


E só as amadas mortas amam eternamente.



INSCRIÇÃO PARA UMA LAREIRA


A vida é um incêndio: nela


dançamos, salamandras mágicas


Que importa restarem cinzas


se a chama foi bela e alta?


Em meios aos toros que desabam,


cantemos a canção das chamas!



Cantemos a canção da vida,


na própria luz consumida...



Mario Quintana
Coleção Melhores Poemas, Seleção Fausto Cunha, global editora, 17º edição, São Paulo, 2005, páginas 115, 101 e 69.


http://www.globaleditora.com.br/


Mario (de Miranda) Quintana nasceu em Alegrete/RS, a 30 de julho de 1906. O poeta faleceu em 1 de maio de 1994. É detentor de vários prêmios literários. Seu primeiro livro de poesia surgiu em 1940, A Rua dos Cataventos.

ESTE QUARTO


ESTE QUARTO


Para Guilhermino Cesar



Este quarto de enfermo, tão deserto


de tudo, pois nem livros eu já leio


e a própria vida eu a deixei no meio


como um romance que ficasse aberto...



que me importa este quarto, em que desperto


como se despertasse em quarto alheio?


Eu olho é o céu! imensamente perto,


o céu que me descansa como um seio.



Pois só o céu é que está perto, sim,


tão perto e tão amigo que parece


um grande olhar azul pousando em mim.



A morte deveria ser assim:


um céu que pouco a pouco anoitesse


e a gente nem soubesse que era o fim...


Mario Quintana

Coleção Melhores Poemas, Seleção Fausto Cunha, global editora, 17º edição, São Paulo, 2005, página 53.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

O DIA SEGUINTE AO DO AMOR




O DIA SEGUINTE AO DO AMOR


Quando a luz estender a roupa nos telhados

E for todo o horizonte um frêmito de palmas

E junto ao leite fundo de nossas duas almas

Chamarem nossos corpos nus, entrelaçados,


Seremos, na manhã, duas máscaras calmas

E felizes, de grandes olhos claros e rasgados...

Depois, volvendo ao sol as nossas quatro palmas,

Encheremos o céu de vôos encantados!...


E as rosas da Cidade inda serão mais rosas,

Serão todos felizes, sem saber por quê...

Até os cegos, os entrevadinhos...E


Vestidos, contra o azul, de tons vibrantes e violentos,

Nós improvisaremos danças espantosas

Sobre os telhados altos, entre o fumo e os cataventos!

Mario Quintana.
Fonte:

http://www.globaleditora.com.br/Loader.aspx?ucontrol=bWVudUhvbWUsZmljaGFMaXZybw==&livroID=3581

página 62.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Prefiro Rosas



PREFIRO ROSAS, meu amor, à pátria,


E antes magnólia amo


Que a glória e a virtude.


Logo que a vida me não canse, deixo


Que a vida por mim passe


Logo que eu fique o mesmo.


Que importa àquele a quem já nada importa


Que um perca e outro vença,


Se a aurora raia sempre.


Se cada ano com a primavera


As folhas aparecem


E com o outono cessam?


E o resto, as outras coisas que os humanos


Acrescentam à vida,


Que me aumentam na alma?


Nada, salvo o desejo de indiferença


E a confiança mole


Na hora fugitiva


Fernando Pessoa
Coleção Melhores Poemas - Seleção Tereza Rita Lopes
Global editora.12º edição, São Paulo, 2004, página 137

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Sermos


The very fact that we are proves all.


O próprio fato de sermos prova tudo.


Fernando Pessoa, Aforismos e Afins.

Editora Companhia das Letras.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

E lá fora o Luar, como a esperança que não tenho, é invisível pra mim






NA NOITE TERRÍVEL, substância natural de todas as noites,



Na noite da insônia, substância natural de todas as minhas noites,



Relembro, velando em modorra incômoda,



Relembro o que fiz e o que podia ter feito na vida.



Relembro, e uma angústia



Espalha-se por mim todo como um frio do corpo ou um medo.



O irreparável do meu passado - esse é que é o cadáver!



Todos os outros cadáveres pode ser que sejam ilusão.



Todos os mortos pode ser que sejam vivos noutra parte.



Todos os meus próprios momentos passados pode ser que existam algures,



Na ilusão do espaço e do tempo,



Na falsidade do decorrer.



Mas o que eu não fui, o que eu não fiz, o que nem sequer sonhei;



O que só agora vejo que deveria ter feito,



O que só agora claramente vejo que deveria ter sido -



Isso é que é morto para além de todos os Deuses,



Isso - e foi afinal o melhor de mim - é que nem os Deuses fazem viver...



Se em certa altura



Tivesse voltado para a esquerda em vez de para a direita;



Se em certo momento



Tivesse dito sim em vez de não, ou não em vez de sim;



Se em certa conversa



Tivesse tido as frases que só agora , no meio-sono, elaboro -



Se tudo isso tivesse sido assim,



Seria outro hoje, e talvez o universo inteiro



Seria insensivelmente levado a ser outro também.



Mas não virei para o lado irreparavelmente perdido,



Não virei nem pensei em virar, e só agora o percebo;



Mas não disse não ou não disse sim, e só agora vejo o que não disse;



Mas as frases que faltou dizer nesse momento surgem-me todas,



Claras, inevitáveis, naturais,



A conversa fechada concludentemente,



A matéria toda resolvida...



Mas só agora o que nunca foi, nem será para trás, me dói.



O que falhei deveras não tem esperança nenhuma



Em sistema metafísico nenhum.



Pode ser para que outro mundo eu possa levar o que sonhei,



Mas poderei eu levar para outro mundo o que me esqueci de sonhar?



Esses sim, os sonhos por haver, é que são o cadáver.



Enterro-o no meu coração para sempre, para todo o tempo, para todos os universos,



Nesta noite em que não durmo, e o sossego me cerca



Como uma verdade de que não partilho,



E lá fora o luar, como a esperança que não tenho, é invisível pra mim.


Fernando Pessoa


Coleção Melhores Poemas, global editora, páginas 113/114, São Paulo, 12º edição, 2004, Seleção Tereza Rita Lopes.


quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

HEDONISTA




No fundo, o homem religioso é um hedonista. O instinto religioso geral é um instinto de prazer, de ter tudo resolvido na vida. Deter-se só perante a Verdade é doloroso para o homem.

A Realidade é muda e fria.

FERNANDO PESSOA

Aforismos e Afins

Companhia das Letras, página 46, São Paulo, 2006.

www.companhiadasletras.com.br

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

MARINHA


DITOSOS a quem acena


Um lenço de despedida!


São felizes: têm pena...


Eu sofro sem pena a vida.


Dôo-me até onde penso,


E a dor é já de pensar,


Órfão de um sonho suspenso


Pela maré a vazer...


E sobe até mim, já farto


De improfícuas agonias,


No cais de onde nunca parto,


A maresia dos dias.



Fernando Pessoa

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Sonho


SONHO. Não sei quem sou neste momento.


Durmo sentindo-me. Na hora calma


Meu pensamento esquece o pensamento,


Minha alma não tem alma.


Se existo, é um erro eu o saber. Se acordo


Parece que erro. Sinto que não sei.


Nada quero nem tenho nem recordo.


Não tenho ser nem lei.


Lapso da consciência entre ilusões,


Fantasmas me limitam e me contêm.


Dorme insciente de alheios corações,


Coração de ninguém.



Cancioneiro

Fernando Pessoa

Coleção Melhores Poemas, Seleção Teresa Rita Lopes, global editora, 12º edição, São Paulo, 2004, página 48.